Quaresma: caminhada de justiça, fé e fortalecimento junto aos pequeninos

É tempo de Quaresma de novo. O que dizer com este “novo” tempo na Liturgia? Tempo diferente, tempo de pensar Deus, o Ser Humano e o Mundo. Serão 40 dias de caminhada desértica, êxodo-adentro de nossa existência humana-divina. O que dizer de Deus? Talvez melhor silenciar.

O que dizer do mundo? Muito sofrimento assola a humanidade. Muita dor alheia que carece de insensibilidade. Morre uma criança, não choramos mais. Caminhoneiros atolados, passamos ao lado… deixa assim. Quando o sol vem, vai secar a estrada, aí ele vai. O senhor “Pinheiro” é picado por uma cobra, toma o específico, passa umas gotas de óleo natural, um mês depois, sente tontura e viaja de moto 250 km Amazônia adentro à procura de um médico.

Que estímulo encontram os que guardam nossa segurança, quando o salário é parcelado, atrasado, sem diária, sem dinheiro para alimentação, usando carros sem as mínimas condições? Como pensar a vida do João que precisa viajar 1.000 km, 500 km de estrada de chão para fazer procedimento de hemodiálise? Como pensar o aluno na escola que não tem banheiro para fazer as necessidades de maneira privada e livre? Precisa refugiar-se na floresta? Hospitais sem condições de atendimento!? Contexto delicado e triste.

 

“Como pensar a vida do João que precisa viajar 1.000 km, 500 km de estrada de chão para fazer procedimento de hemodiálise?”

 

Como pensar a pessoa humana neste contexto? Onde mora sua dignidade? Onde está sua oportunidade de trabalho? Onde está seu atendimento de saúde? Onde foi o dinheiro que estava reservado para a saúde, para a segurança, para a educação, para a estrada? Com quem ficam os lucros através dos incentivos fiscais? A quem cabe fazer as políticas públicas? Em que consistem tais políticas?

Tempo de 40 dias, êxodo-adentro de nossa existência espiritual. Como irmãs e irmãos, filhas e filhos do único Pai, que diz no Filho “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”, como se encontra esta relação no contexto real? Quarenta dias de Jesus no deserto… passa pela prova, vence as tentações. Supera o mal. O amor vence. O perdão vence. A misericórdia vence.

 

“Com quem ficam os lucros através dos incentivos fiscais? A quem cabe fazer as políticas públicas? Em que consistem tais políticas?”

 

Como atuar com base na fé? Na lição do Evangelho? Com base na justiça tendo Jesus como exemplo perfeito? Como assumir as orientações da Doutrina Social da Igreja?

As dicas são sempre as mesmas. Estão na Bíblia: oração, esmola e jejum. Três prerrogativas condicionantes para uma vida restaurada em Cristo. Mistério Pascal, Ministério de vida doada e amada de Jesus pela salvação de todas e todos nós.

Fraternidade e políticas públicas. Com este tema a Igreja quer colaborar com os responsáveis que conduzem a nação na edificação do Reino de Jesus. Os que governam não conseguem ver tudo o que acontece no mundo e nos rincões mais distantes desta pátria.

Por isso, as políticas públicas como tema da Campanha a Fraternidade, a partir da organização da sociedade civil, possibilitam ao governo perceber quais as soluções que podem ser apresentadas para os problemas que nos afetam. A partir da dor dos mais fracos, buscar caminhos de solução, remédios que curam as feridas do nosso povo, especialmente dos mais pobres, maiores vítimas.

 

“Que a Quaresma nos ajude a trilhar a Via Sacra de Jesus. Que as Políticas Públicas nos acenem na direção da dignidade do Mundo e de toda Pessoa Humana”

 

Tempo diferente, tempo de rever nossas atitudes diante de Deus, diante do mundo e diante do próximo. Façamos deste tempo, um tempo de muita graça. De reconciliação. De retomada de luta pelo maior bem de todas e todos. Caminhada da justiça. Caminhada da verdadeira fé. Caminhada de fortalecimento junto aos pequeninos, os mais fracos, os pobres. Busquemos a conversão de todas as pessoas. Que o egoísmo dê lugar ao despojamento. Que a ganância dê lugar à partilha. Que o amor supere o ódio. Que a paz vença os conflitos.

Que o jejum, a esmola e a oração transformem nossa vida por inteiro. Que a Quaresma nos ajude a trilhar a Via Sacra de Jesus. Que as Políticas Públicas nos acenem na direção da dignidade do Mundo e de toda Pessoa Humana. Revistamo-nos da humanidade, da humildade e das cinzas do pó da terra, onde Deus, o Ser Humano e o Mundo se interligam respeitosa e amigavelmente.

Santa Quaresma para todas e todos.

Dom Neri José Tondello, bispo de Juína (MT) e referencial das CEBs no Regional Oeste 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *