Encontro dos coordenadores e assistentes eclesiais das Pastorais Sociais do Regional Leste 2 da CNBB Pe. Nelito Dornelas

Somos, todos e tudo, criaturas. Fazemos parte de um projeto de amor de Deus (76). Como natureza, somos sistemas abertos que se comunicam e se integram, se evoluem, onde tudo está interligado (79).

Nos dias 29 a 31 de março de 2019, reuniram-se no ARPAS, em João Monlevade – MG, as coordenações das pastorais sociais do Regional Leste 2 da CNBB, no encontro de formação e espiritualidade. Sob a coordenação de Dom Marco Aurélio, bispo de Itabira/Cel. Fabriciano e referencial pela ação social transformadora, os participantes do encontro debateram sobre as políticas públicas e mineração, tendo como assessores Pe. Nelito e Frei Rodrigo, da rede Igreja e mineração. A liturgia, muito bem preparada e celebrada, teve a coordenação do Pe. Welington e apoio da equipe litúrgica da diocese anfitriã.

As perguntas norteadoras do debate foram:

1- Quais têm sido nossas pastorais as ações referentes à Campanha da Fraternidade e à mineração?
2- Quais os compromissos e ações que as pastorais sociais assumem a partir dos indicativos do agir da Campanha da Fraternidade diante das políticas públicas e dos desafios das questões minerárias?
3- Como a Comissão Episcopal para Ação Social Transformadora pode contribuir com as pastorais sociais nestas questões?

Muitas iniciativas, de garantia e promoção de políticas públicas includentes, foram apresentadas e partilhadas pelas pastorais sociais nos campos específicos de cada uma delas.

Diante do desmonte das politicas públicas, conquistadas com muita luta e articulação dos movimentos populares e das pastorais sociais, bem como das ameaças de rompimentos de outras barragens de rejeitos de minérios em nossa região, os compromissos assumidos pelas pastorais foram pautados na linha da Ecologia Integral, apontadas pelo Papa Francisco em Laudato Si, considerando que tudo está interligado nesta casa comum.

Somos, todos e tudo, criaturas. Fazemos parte de um projeto de amor de Deus (76). Como natureza, somos sistemas abertos que se comunicam e se integram, se evoluem, onde tudo está interligado (79). Enquanto criação, somos dom de Deus, cujo amor nos chama a uma comunhão universal (76). Nada é mero objeto, ninguém e nada é mais digno do que outro. Todas as criaturas avançam para uma meta comum, que é Deus. A noção de criação revela o universo como linguagem de amor, no qual tudo é carícia de Deus, objeto de ternura do Pai. Deus está presente no mais intimo de cada ser. Assim, a natureza manifesta Deus e é lugar de sua presença.

“O amor, cheio de pequenos gestos de cuidado mútuo, é também civil e político, manifestando-se em todas as ações que procuram construir um mundo melhor. O amor à sociedade e o compromisso pelo bem comum são uma forma eminente de caridade, que toca não só as relações entre os indivíduos, mas também as macrorrelações como relacionamentos sociais, econômicos, políticos” (232).

Entendemos que “a proteção ambiental não pode ser assegurada somente com base no cálculo financeiro de custos e benefícios. O ambiente é um dos bens que os mecanismos de mercado não estão aptos a defender ou a promover adequadamente” (190). Será realista esperar que quem está obcecado com a maximização dos lucros se detenha a considerar os efeitos ambientais que deixará às próximas gerações?

Quando se colocam estas questões, somos acusados de pretender parar, irracionalmente, o progresso e o desenvolvimento humano. Não somos contra o progresso, mas queremos outra modalidade de progresso (191), com desenvolvimento criativo (192), superando o consumismo e o decréscimo (193).

Propomos novos modelos de progresso, por uma conversão do modelo de desenvolvimento global (194).

Assumimos o compromisso com os atingidos pelas atividades mineradoras e as vítimas de seus desastres/crimes sócio ambientais.

Convidamos a todos para a 4ª Romaria das águas e da terra da bacia do Rio Doce em Itabira – MG, no dia de 2 junho de 2019, com o lema: Vão-se os bem da Criação, ficam miséria e destruição.  E agora José?

Pe Nelito Dornelas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *