A Caminho do 15° Intereclesial: Definido o Secretariado : Agora é tempo para aproximar distâncias..

15° Intereclesial. Rondonópolis-MT De 19 a 24 de julho de 2022.

Tema: “Cebs: uma Igreja em saída na busca da vida plena para todos e todas”.

Lema: “Vejam! Eu vou criar novo céu e uma nova terra” (Is 65,17).

A próxima estação do trem das CEBs será na cidade de Rondonópolis, no coração de Mato Grosso. Tal decisão foi tomada no término do 14º Encontro Intereclesial, realizado de 23 a 28 de janeiro 2018 em Londrina/PR. Com muita alegria a Diocese de Rondonópolis-Guiratinga/MT assumiu sediar o 15º Intereclesial. Assim, pela segunda vez, o Oeste do Brasil é contemplado com esse encontro que renova, alegra e anima a caminhada da Igreja.

Como parte dos preparativos para o Encontro Intereclesial, nos dias 05 a 08 de julho de 2018 a Equipe Ampliada se reuniu em Rondonópolis/MT com o propósito de avaliar o 14º Encontro, bem como projetar horizontes para a 15º Intereclesial a ser realizado em 2022.

Novamente reunida nos dias 24 a 27 de janeiro de 2019, em Cuiabá/MT, a Equipe Ampliada, além dos assuntos abordados escolheu o tema e lema do 15º Intereclesial a ser realizado em Rondonópolis-MT entre os dias 19 a 24 de julho de 2022: Tema: “Cebs: uma Igr

Na discussão para essa escolha levou-se em consideração a solicitação do Papa Francisco de se investir “numa Igreja em saída, que vai ao encontro das periferias sociais e existenciais. Igreja presente, que anuncia o Evangelho e atinge o coração para que “todos tenham vida plena”. Vida não para poucos privilegiados, mas vida para todos, para o planeta, para os povos, independente de raça, cultura ou credo.

Igreja em saída, expressão do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelium Gaudium ganha significado na vida pastoral da Igreja. Expressa uma Igreja missionária que sai de si mesma e vai ao encontro em especial dos pequenos, dos pobres, dos desvalidos e sofridos da humanidade, dos “amados de Deus”.

Com essa expressão, o tema escolhido ajuda as comunidades, as pastorais, os serviços, os movimentos eclesiais a abraçarem a causa da vida das comunidades, a evangelização de proximidade. O lema, no contexto de Isaias e do Apocalipse lança a perspectiva de esperança que se constrói à luz do Evangelho, da prática cristã, do sonho do bem viver com “terra, teto e trabalho para todos”, como afirma Papa Francisco.

Assim, em sintonia com o Evangelho, com o ensino da Igreja e com as orientações pastorais da CNBB, esses anos de preparação para a celebração do 15º Intereclesial querem contribuir na formação de comunidades vivas, participativas a serviço da “Vida Plena para todos e todas”. Na mesma ocasião, em Cuiabá, o Regional Oeste2, estado de Mato Grosso e mais precisamente a Diocese de Rondonópolis-Guiratinga retornaram com o compromisso de formar o Secretariado das CEBs e continuar o processo de motivação, organização e realização do 15º Intereclesial.

A equipe do secretariado provisório reuniu-se no dia 13 de abril de 2019, das 9:00 às 16:00 horas, no Centro de Pastoral de Rondonópolis com o objetivo de eleger o secretariado permanente, bem como indicar responsáveis para os encaminhamentos mais urgentes, tais como: organizar internamente o secretariado e elencar os serviços que esta equipe terá ao longo dos próximos quatro anos na animação das CEBs do Brasil e também na preparação do 15º Intereclesial que acontecerá em 2022, na cidade de Rondonópolis/MT.

Ficou definido de forma permanente o Secretariado, com algumas funções como: Bispo anfitrião: Dom Juventino Kestering; Coordenadores: Pe. Jose Eder Ribeiro Lima e Rinaldo Cardoso Lira; Secretaria: Eliene Paulina; Articuladores Diocesano e regional: Ademir G. P. Júnior e Maria Aparecida Silva; Coordenador de Projetos: Adilson José Francisco; Assessoria: Marilza Schuina; Formação: Marilza Schuina, Pe. Josivan e Adilson José Francisco; Comunicação do Secretariado: Eliene Paulina.

Outras lideranças foram citadas mas ainda não consultadas para contribuírem com o secretariado executivo. “Dos nomes supracitados Pe. José Éder Ribeiro Lima, Adilson José Francisco, Ademir G. P Júnior (da Diocese de Rondonópolis-Guiratinga), Pe. Josivan Calixto de Arruda (Diocese de Primavera do Leste e Paranatinga) e Marilza Schuina (Arquidiocese de Cuiabá) foram escolhidos para participarem com direito a voto nas deliberações da Ampliada Nacional das CEBs. A equipe constituída, conta com a contribuição, comunhão e solidariedade de todas as lideranças cristãs para que as CEBs no Brasil e o 15º Intereclesial sejam uma sementeira e concretização dos valores do Reino de Deus propagado por Jesus Cristo”.

Assumimos o compromisso na certeza de que “agora é tempo para aproximar distancias, acalmar o medo das diferenças pastorais, olhar para o horizonte das comunidades, ser Igreja que acolhe com alegria, que partilha a prática e as diferenças pastorais no diálogo, pois somos sujeitos e destinatários de um Intereclesial”. Estamos nos organizando com a finalidade de resgatar, reanimar, reiniciar a vida das comunidades bem como fortalecer aquelas que se mantem vivas. Acreditamos que é possível recriar a cultura da comunidade nas paróquias, nas dioceses e no Regional, para que o 15º Intereclesial não seja apenas um evento, mas um processo construtivo de formação de comunidades, com lideranças, serviços de promoção, ministérios, celebrações, pastorais organizadas…

O 15º Intereclesial será um marco na história das comunidades; uma continuidade dos quatorzes anteriores, com seus aprendizados, suas marcas, seu grito histórico mesmo em meio às contestações e às críticas. Fiéis a Jesus Cristo, ao Evangelho e à Igreja e a partir de Jesus Cristo, neste processo de caminhada, tanto a realização como as ações após 2022 deverão ter a marca da partilha, da celebração, da troca de experiências, da avaliação, do respeito, da tolerância, da interação com o outro, do exercício do ecumenismo. Esse encontro possibilitará espaço e tempo para viver a igualdade, aprender a aprender com o outro, aprender dos tempos atuais, da modernidade, do momento histórico da humanidade, das indicações e linhas pastorais do Papa Francisco, em profunda comunhão com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A periocidade dos Intereclesiais é como um grito de fortalecimento para tantos que sentem o peso da vida, os desafios da realidade social e econômica, de tantos desempregados e desvalidos da vida, dos excluídos “quer social, quer existencialmente”, como adverte o papa Francisco. Mas também quer ser força para continuar a missão de evangelizar, de transformar o mundo à luz do Evangelho, de fortalecer lideranças cristãs na comunidade, de resgatar valores para a família, para a juventude.

Nesse processo de preparação para o próximo intereclesial desejamos que todos estejam atentos às marcas do nosso tempo, à realidade que nos cerca, com olhar de fé e disposição para servir nas comunidades onde atuam. A Igreja reconhece o momento histórico em que se encontra, sendo convocada a buscar caminhos para a transmissão da fé e a sedimentação da fé, mesmo que, para isso, precise abandonar estruturas ultrapassadas que já não facilitem mais a transmissão da fé”. (Diretrizes 17 e 23.).

Acreditamos que a comunidade se aviva quando se torna lugar gostoso de participar pela forma de acolhimento, de partilha, de respeito pelo diferente, pela mútua ajuda. Daí a importância de implementar nas nossas comunidades de base, a cultura do encontro, das lideranças como serviço, do resgate da Palavra, da Eucaristia, da Caridade, de uma catequese vivencial, de atendimento aos adultos, de espaço para a juventude. Uma cultura de fortalecimento dos grupos de família, dos grupos bíblicos, das rezas da devoção popular, da visão mais crítica do momento atual para discernir o que constrói a pessoa humana na sua dignidade, mas também perceber o que machuca e oprime nossos irmãos e irmãs de caminhada.

Sempre é bom lembrar que em 2016 os bispos assumiram em Aparecida que “as Comunidades Eclesiais de Base são uma forma de vivência comunitária da fé, de inserção na sociedade, de exercício do profetismo e de compromisso com a transformação da realidade sob a luz do Evangelho. São presença da Igreja junto aos mais simples, aos descartados, aos excluídos. São instrumentos que permitem ao povo conhecer a Palavra, celebrar a fé e contribuem para o crescimento do Reino de Deus na sociedade. Para isso, estarão sempre em sintonia com a paróquia local, com a pastoral diocesana e em comunhão com os pastores. Elas têm contribuído de forma clara para que os leigos e leigas atuem como sujeito eclesial na vida da Igreja e para sua missão no mundo. Em muitas situações elas são o único espaço de partilha, acolhida mútua e valorização das pessoas. (Doc 105 “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade).

O Secretariado, em vista do 15º Intereclesial está aberto para receber sugestões que nos ajudem a melhor animar, fortalecer, avivar e motivar as comunidades. Esse é o nosso princípio e foco. Que o Espírito Santo nos ilumine nesse processo de construção para que o 15º Intereclesial seja um momento de renovação da Igreja, de voz viva das comunidades e de fortalecimento da nossa fé.

Dom Juventino Kestering
Bispo de Rondonópolis-Guiratinga
juvake@terra.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *