Para retomar a caminhada. Nossa missão. Marcelo Barros

Jesus nos diz que não estamos nessas lutas apenas porque somos de esquerda (nós somos), nem porque somos transgressores por natureza (muitos de nós somos), mas estamos nessa caminhada por missão.

Nesse primeiro domingo de julho, no Brasil, acontecem várias romarias e peregrinações tradicionais como a de Trindade em Goiás e a do Bom Jesus da Lapa, nas margens do agonizante São Francisco, no sertão da Bahia. Também, a cada ano, nessa época do começo de julho, um grupo ecumênico de peregrinos sai a pé em peregrinação de Recife a algum local que guarde a memória das lutas e do martírio do povo, como Canudos na Bahia ou a Serra da Barriga em Alagoas onde, no século XVII, se estabeleceu o quilombo dos Palmares. Nesse ano, a peregrinação é pelas estradas e caminhos de Alagoas.

No Brasil, desde os anos 70, a Igreja inserida nas bases e comprometida com a libertação se chama Igreja da caminhada. Como no começo das comunidades cristãs, quem era discípulo de Jesus se dizia do caminho. Do mesmo modo, nessas décadas mais recentes se identifica como sendo da caminhada quem, por sua fé, se insere nas comunidades de base, nas pastorais sociais, nas lutas pela justiça e direitos humanos. Até hoje, o anel de coco é símbolo de muitos/as da caminhada. Nos anos 80, no filme “Anel de Tucum”, Dom Pedro Casaldáliga explicava:
“Este anel é feito de uma palmeira da Amazônia. É sinal da aliança com a causa indígena e com as causas populares. Significa que quem carrega esse anel assumiu essas causas e suas consequências. Você topa usar o anel? Olha, isso compromete, viu? Muitos, por causa deste compromisso foram até a morte (…)”.

Que boa coincidência que, no texto do evangelho, lido nesse domingo pelas comunidades (Lucas 10, 1- 12 e 17- 20), Jesus nos diz que não estamos nessas lutas apenas porque somos de esquerda (nós somos), nem porque somos transgressores por natureza (muitos de nós somos), mas estamos nessa caminhada por missão. E não podemos não estar. Como os primeiros discípulos e discípulas, fomos mandados para esse caminho por Jesus: Vão! Cuidem da saúde do povo pobre e testemunhem pela vida de vocês que Deus tem um projeto para o mundo e esse projeto é de transformação e vida para todos.
Conforme esse evangelho, Jesus não enviou em missão só o grupo dos doze, como Mateus conta. Lucas diz que foram 72 homens e mulheres (no capítulo 8, Lucas as inclui no relato e até dá o nome de algumas que seguiam Jesus). E esse envio é para fora do país e da cultura deles. É para o mundo inteiro. Jesus manda de duas em duas pessoas e usa a imagem da colheita. No capítulo 8, a parábola era da semente a ser semeada. Agora, a missão é colher. E a perspectiva parece otimista: a colheita é grande.

Independentemente, se essa história ocorreu mesmo na época de Jesus, é certo que ocorreu nos anos 80, na época em que o evangelho foi escrito. Os irmãos e irmãs se sentiam mandados por Jesus para o mundo de fora. Hoje, o que seria esse mundo de fora ao qual Jesus nos manda? Como viver essa Igreja em saída que, baseado nesse evangelho, o papa Francisco propõe? O documento de trabalho que prepara o Sínodo da Amazônia em outubro afirma que o objetivo dessa missão deve ser a Ecologia integral, isso é, o cuidado com a justiça eco-social que abarca as questões sociais e a sustentabilidade da vida no planeta. E que isso implica no diálogo com as culturas originárias e com toda a humanidade.

Na Bíblia, os profetas comparavam essa missão com uma lavoura que, no tempo da colheita, Deus vai querer recolher o que plantou. Isso confirma que não se trata de ir pregar nada, nem ensinar nada. Deus já está presente e revelado nas culturas indígenas, no Candomblé, no Carnaval e na vida do povo. Nada de precisar carimbar de cristão o que já é de Deus. Basta colher o que o Espírito já plantou. A missão não é tanto o plantio. É a colheita dos valores que já existem e já florescem e frutificam. Basta colher.

Esse evangelho, hoje, pode reforçar a nossa confiança e nossa esperança. Não podemos olhar o mundo e só ver coisas negativas. Esse mesmo capítulo do evangelho de Lucas conta que Jesus e os discípulos foram rejeitados e fracassaram em sua missão tanto na Galileia como na Samaria. Nesse mesmo capítulo, o evangelho mostra que as cidades à beira do lago também rejeitaram Jesus e o evangelho. No entanto, assim mesmo, Jesus diz que a colheita é fecunda, é grande… Porque não se trata de resultado contáveis e sim da energia que está dentro de quem vai em missão para colher os frutos que Deus semeia e para revelar ao mundo que o Espírito de Amor está presente e atua, mais eficaz do que todas as estruturas do mal.

Que otimismo encorajador. Será que conseguimos ser assim tão esperançosos quando vemos tanta gente ao nosso redor que ainda se manifesta pela alienação e pela injustiça como se fosse justiça e verdade?

Quando morei em Goiás e acompanhei lavradores descobri que, quando a lavoura está preparada para a colheita, ou o pessoal organiza bem depressa a colheita ou se arrisca a perder tudo. Na época de manga ou de caju nos sítios e chácaras do Nordeste, também é assim. Ou se aproveita a safra ou poucos dias depois não adianta mais.

Jesus diz que a colheita é grande, mas os operários são poucos. Mesmo sendo 72, número simbólico para dizer uma comunidade maior, ainda somos minoria e em situação que precisamos pedir a Deus que mande mais operários para a sua colheita. No caso da colheita de Deus nesse mundo, as condições são de precariedade, pobreza e uma série de dificuldades e até perseguições. Chega a ser incrível que Jesus deixe claro que está mandando as pessoas para situações de risco. Mandar ovelhas para o meio de lobos, é para serem devoradas. Mas, Jesus manda e pede que tomem cuidado. Adverte que o risco é grande, mas a opção é a de viver, resistir e vencer. Isso é que implica o martírio: a fidelidade à causa até se arriscar, mas fazendo tudo para resistir e vencer.

Penso que hoje, o fato de Jesus mandar que o discípulo ou discípula vá no caminho só com duas túnicas e sem sandálias é sinal de ruptura social muito exigente e dura. Na sociedade de Jesus, era pela roupa que usavam que as pessoas revelavam a que extrato social pertenciam e se faziam parte ou não das aldeias. Andar só com duas túnicas que, nas estradas sujas de barro e de terra, logo se deterioravam e sem sandálias, colocava os discípulos/as como permanentes forasteiros/as e certamente marginalizados do convívio social mesmo dos pobres das aldeias.

É sempre bom repetir: Jesus não manda os discípulos pregarem sobre ele nem formar uma religião, mas testemunhar o reino, o projeto de Deus para o mundo. A missão consiste em revelar o reinado divino e mostrar que este mundo, no sentido do sistema que o domina, será proximamente julgado. O reino ou reinado de Deus é a realização do projeto de Deus para todos: vida, saúde e paz.

Agora, o Shalom, a paz, mensagem que, conforme a cultura judaica, se dá na saudação, não é mais apenas um desejo. É dom oferecido como sinal da vinda do reino. Dai o compromisso que todo cristão tem de anunciar e promover a paz. De certa forma, a paz é o primeiro sinal do Evangelho anunciado. A concepção hebraica de Paz, Shalom, significa saúde, plenitude de vida e de comunhão. Não é só ausência de guerra. É justiça e irmandade, respeito às culturas diferentes e projeto de um projeto divino de inclusão para todos. Nesse mundo de intolerância e de ódio, nós vamos colher o que Deus plantou, mas com o cuidado de não colher junto o ódio e a intolerância que vemos nos adversários e inimigos. Isso não devemos colher.

Assim como a intimidade com Deus fez parte da base do envio, o evangelho conta que também a volta da missão suscita oração, em primeiro lugar, do próprio Jesus. Uma espécie de transe, de possessão do Espírito. É oração suscitada pelo vibrar do coração e pela alegria que estremece o corpo inteiro. É como a dança da Sabedoria bíblica (Cf. Pv 8, 30- 31; Eclo 24).
Hoje, as comunidades cantam um dos cânticos do Zé Vicente que descreve muito bem a alegria de ser chamado e viver a caminhada:

O Deus que me criou, me quis me consagrou
Para anunciar o seu amor
Eu sou como chuva em terra seca pra saciar
Fazer brotar eu vivo para amar e pra servir!
É missão de todos nós;
Deus chama, eu quero ouvir a sua voz! (…)
Eu sou, sou profeta da verdade
Canto a justiça e a liberdade
Eu vivo para amar e pra servir!

Marcelo Barros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *