Bem Viver – Sinal dos nossos tempos. Pedro Ribeiro

Hoje, talvez mais do que nunca, é imperioso saber interpretar os sinais dos tempos, como mandou Jesus (Lc 12, 54-56).

por Pedro A. Ribeiro de Oliveira.

No momento em que o governo brasileiro incentiva a devastação da floresta amazônica, o extermínio de povos originários, o armamentismo, a retirada de direitos e favorece a concentração da renda e da riqueza, é preciso aprimorar nossos instrumentos de análise da realidade para não cairmos no desânimo e na paralisia. A leitura crítica do que a realidade diz é condição para nos liberarmos de práticas e doutrinas que cumpriram papel transformador no passado, mas podem ter perdido a validade no mundo atual. Por isso o tema do 11º Encontro Nacional de Fé e Política fala de Sinais dos Tempos na Construção do Bem-Viver.

Vivemos um tempo muito diferente daquele em que quase toda a América do Sul – Equador, Bolívia, Venezuela, Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile – tinha governos liderados por partidos de esquerda que viam no desenvolvimento o caminho para tirar seus povos da pobreza e melhorar a distribuição de renda. A crise financeira de 2008, porém, enfraqueceu aquele projeto e abriu o caminho para a ascensão de governos autoritários na política e ultraliberais na economia. Nesse novo contexto, que tem muitos traços do fascismo, a própria ideia de desenvolvimento revela-se como utopia enganosa, pois os povos colonizados nunca serão iguais aos seus colonizadores. Mais ainda, também o ideal do socialismo como ordem econômica onde o mercado é submetido ao Estado, revela-se incapaz de opor resistência eficaz ao liberalismo e seu ideal privatista. É no interior dessa nova realidade dos nossos povos que desponta o Bem-Viver como ideia-força para a construção de uma nova ordem política, econômica e social.

Oriundo de tradições dos povos andinos, o Bem-Viver opõe-se à colonialidade que nos faz pensar conforme os parâmetros da moderna civilização ocidental. Ao romper com esse pensamento, aquela sabedoria ancestral renovada pela experiência contemporânea de movimentos sociais de oposição ao capitalismo apresenta uma alternativa ao liberalismo, ao desenvolvimentismo e até ao socialismo. Não por acaso, entrou na pauta de um número cada vez mais amplo de movimentos sociais, grupos e pessoas de todo o mundo. No Brasil, o primeiro grande evento sobre esse tema foi o 8º Encontro Nacional de Fé e Política, realizado em Embu das Artes – SP, em 2011.

Sua originalidade maior reside no fato de combinar a sabedoria ancestral e a experiência dos movimentos sociais contemporâneos em luta contra o capitalismo em sua forma globalizada e neoliberal. Recria-se um antigo conceito de culturas andinas nas novas condições impostas pela geopolítica estadunidense a serviço das grandes corporações capitalistas. Nesse novo contexto, os componentes do Bem-Viver – o reconhecimento da Terra como sujeito, as relações harmoniosas com todas as espécies vivas, o respeito às diferentes pessoas e comunidades, e a abertura ao espiritual – tornam-se pilares da nova ordem política e econômica capaz de superar definitivamente a desordem capitalista e abrir caminho para “um novo Céu uma nova Terra”, como promete o Apocalipse (21, 1).

Somos então convidados e convidadas a ler os sinais dos tempos na perspectiva do Bem-Viver que, ao perscrutar as nuvens tenebrosas que anunciam catástrofes climática, ecológica, humanitária, cultural e econômica, consigamos discernir pistas para a ação, na certeza de que está próxima a Libertação de todos os oprimidos e oprimidas.

Este é o desafio maior a ser enfrentado nos dias 12 a 14 de julho, em Natal – RN, pelos e pelas participantes do 11º Encontro Nacional de Fé e Política. Que não nos faltem luzes, coragem e fé para levar uma mensagem de Esperança aos militantes e lideranças de movimentos sociais, especialmente aqueles e aquelas que se organizam em Grupos ou Escolas de Fé e Política!

Pedro A. Ribeiro de Oliveira - Membro da Coordenação Nacional
Pedro A. Ribeiro de Oliveira – Membro da Coordenação Nacional – Juiz de Fora MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *