A Igreja que nasce de Jesus e do Espírito Santo (Reino-Igreja-Mundo 4). Agenor Brighenti

Da mesma forma que não há Igreja sem Jesus Cristo, também não há Igreja sem Espírito Santo. Igreja não é nem anterior e nem exterior ao Espírito Santo. Jesus e o Espírito são constitutivos da Igreja.

O ser a missão da Igreja serão melhor explicitados mais adiante, ao abordar sua relação com o Reino de Deus e o Mundo. Limitar-nos-emos aqui e no artigo seguinte, à questão da fundação e da instituição da Igreja, assim como de sua razão de ser. Comecemos com a questão de sua fundação e instituição.

Já houve quem afirmou que Jesus pregou o Reino de Deus e, em seu lugar, os discípulos criaram a Igreja. Questões tais como se Jesus fundou a Igreja e, em que sentido ele o fez ou se realmente ele quis uma Igreja ou se pelo menos não a excluiu no futuro, só podem ser respondidas, abordando uma série de questões prévias.

As origens da Igreja

Onde está o começo da Igreja? Antigamente, para falar das origens da Igreja, se recorria aos escritos do Novo Testamento. Entretanto, são textos escritos pela Igreja e quase uma geração depois de seu nascimento. Para isso, se evocava as aparições do Ressuscitado, crendo que elas foram ocasião para que os discípulos dispersos voltassem a congregar-se. Entretanto, a expressão – “Jesus ressuscitou” – já é uma afirmação de fé, própria de uma comunidade de fiéis. Também se recorria ao texto de Mateus – “tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja”. Mas, é um texto tardio, uma profissão de fé de uma Igreja já atuante. As aparições legitimam a comunidade dos fiéis, mas não a criam.

Outro caminho que se costumava usar para identificar as origens e fundação da Igreja era evocar a efusão do Espírito de Pentecostes. Argumentava-se que foi com a efusão do Espírito que os discípulos inativos se tornaram ativos e, assim, teve início a Igreja. É verdade que, segundo a concepção de Lucas, a função histórico-salvífica dos doze consiste em transmitir a possessão do Espírito recebido em Pentecostes. Entretanto, seria o Espírito de Pentecostes uma realidade desconectada do evento histórico Jesus Cristo? Neste caso, a Igreja não teria nascido de Jesus, mas do Espírito.

Jesus e o Espírito Santo são constitutivos da Igreja 

Estudos mais recentes mostram que, na realidade, a Igreja nasce nem só de Jesus e nem só do Espírito. Para Lucas, a Igreja se faz presente sempre aonde se transmite, por tradição, o que foi recebido antes, na convivência com Jesus e na efusão do Espírito Santo que atuava em Jesus. Assim, o acontecimento de Pentecostes não é o único que constitui a fundação da Igreja, mas somente uma etapa da mesma. Para Lucas, o acontecimento fundante da Igreja é a vocação ou a eleição dos doze (Lc 6,13), que são a Igreja em gérmen, que, pouco a pouco, vai se constituindo sob o dinamismo do Espírito. Sem Pentecostes não haveria Igreja. O Espírito é constitutivo da Igreja. Mas também, sem Jesus, que chamou os doze como a Igreja em gérmen, tampouco ela teria nascido. Sem a obra de Jesus, por um lado, não teria havido a Igreja em gérmen no Cenáculo e, por outro lado, sem Pentecostes, os inativos não teriam se tornado ativos.

Será que Jesus quis fundar a Igreja?

Mesmo que a Igreja se remeta a Jesus de Nazaré, será que ele quis expressamente fundar a Igreja ou ela é consequência de sua obra? Para W.G. Kumel, Jesus contava com a chegada iminente da parusia e, necessariamente, teve que excluir a intenção de fundar uma instituição para continuar sua obra.  Para Kumel, ainda que relacionada com Jesus, a Igreja é posterior à Páscoa e considerada como uma solução intermediária. Como a parusia não veio e a segunda vinda de Jesus não aconteceu, os discípulos teriam criado a Igreja para esperar sua volta. A Igreja seria, por um lado, o resultado da dilatação da parusia e, por outro, da institucionalização da possessão do Espírito. Em outras palavras, pela possessão do Espírito os discípulos criaram a Igreja, que veio substituir o Senhor que não retornou.

Entretanto, como explicar uma continuidade, quase ininterrupta, entre a missão de Jesus e a atuação de seus discípulos, sem que Jesus tivesse querido um movimento para continuar sua obra? Crer que a Igreja seja resultado da dilatação da parusia e uma solução intermediária, esbarra no fato justamente desta continuidade ininterrupta entre a morte de Jesus e Pentecostes, quando já aparece uma Igreja atuante.

A instituição da Igreja 

E a Igreja, como instituição – sua organização, estruturas, ministérios, os sacramentos – vem de Jesus ou a comunidade dos discípulos foi criando de acordo com as necessidades que foram se apresentando na missão? As duas coisas. Como a Igreja nasce nem só de Jesus e nem só do Espírito, também ela é instituída por Jesus e no Espírito. Os apóstolos e discípulos escolhidos e formados por Jesus já são a Igreja em gérmen, que no Espírito vai se constituindo em seu caminhar. Tradição é a história do Espírito Santo na história do Povo de Deus.

Da mesma forma que não há Igreja sem Jesus Cristo, também não há Igreja sem Espírito Santo. Igreja não é nem anterior e nem exterior ao Espírito Santo. Jesus e o Espírito são constitutivos da Igreja. Ela é, ao mesmo tempo, uma realidade histórica e escatológica. Como realidade histórica está referida ao mundo e como realidade escatológica está referida ao passado e ao futuro. Só desde este círculo histórico dialético-hermenêutico se pode entender a Igreja, como de fato ela é, fundada por Deus.

Por Agenor Brighenti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *