Autor: Leoni Alves Garcia

Há um caminho que leva seguramente ao Messias e uma orientação fundamental: o caminho é o dos pobres e a orientação fundamental é o evangelho de Jesus de Nazaré. Thiago de França

Há um caminho que leva seguramente ao Messias e uma orientação fundamental: o caminho é o dos pobres e a orientação fundamental é o evangelho de Jesus de Nazaré. Thiago de França

- SULÃO, Destaque, Destaque News, Rumo ao 15º Intereclesial
Solenidade da Epifania do Senhor “Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor” (Is 60, 1). Epifania quer dizer manifestação. A Festa da Manifestação do Senhor é a festa do reconhecimento da universalidade da salvação. Não há um povo, um grupo, uma religião, uma pessoa a quem se destina com exclusividade a salvação oferecida por Deus em Jesus de Nazaré. Os cristãos precisam meditar este mistério. É mistério de amor, de doação, de redenção do gênero humano e de toda a criação. É o Deus Uno e Trino que vem ao encontro do ser humano para divinizá-lo, para chamá-lo à plenitude da vida. O texto evangélico escolhido para a celebração litúrgica desta grande festa (cf. Mt 2, 1 – 12) traz algumas informações que merecem destaque. Não é u
Ele está chegando… Vem Jesus…

Ele está chegando… Vem Jesus…

- LESTÃO
Quininha. Assessora CEBs Regional Leste Sabe Menino Jesus, muitos estão aguardando a sua chegada. Muitos esperam que você traga presentes... mas presentes muito diferentes daqueles que o Papai Noel traz... Muitos aguardam e sonham ansiosamente com o teu renascimento neste nosso mundo tão conturbado, violento, difícil, mas este é o mundo que temos para viver, criar nossa família, realizar nossos sonhos, construir nosso futuro. Por isso me pus a rezar enquanto faço os preparativos para receber a minha família e, juntos, celebrarmos simbolicamente, de novo, como faço há anos, desde que nasci, a tua chegada. E hoje, agora, neste momento eu estou rezando assim: - Vem Jesus e conforta os corações dos que estão sofrendo pela falta de pão, de teto, de emprego, de amor, de família, de esperanç
Carta as Comunidades. Rumo ao 15° Intereclesial.

Carta as Comunidades. Rumo ao 15° Intereclesial.

Destaque, Destaque News, Rumo ao 15º Intereclesial
“Vejam! Eu vou criar novo céu e uma nova terra” (Is 65,17ss) Rondonópolis, 23 de dezembro de 2019 Carta nº 02 Estimadas comunidades eclesiais espalhadas e organizadas no Brasil e na América Latina! No mês de agosto do corrente ano enviamos uma 1º Carta às Comunidades falando sobre o trem das CEBs que está a Caminho de Rondonópolis e apresentando o tema: “CEBs: Igreja em saída na busca da vida plena para todos e todas” e o lema “Vejam! Eu vou criar novo céu e uma nova terra” (Is 65,17ss). Nesse mesmo espírito de aprendizado contínuo e na renovação da Esperança de vivenciarmos um processo de construção do Reino de Deus, que vai se fazendo na história do seu Povo, mantenhamo-nos Fiéis a Jesus Cristo, ao Evangelho, à Igreja, e a partir de Jesus Cristo, testemunhemos a prática da partilha
É NATAL: EM BELÉM NASCEU REVOLUÇÃO E ESPERANÇA. Marcos Aurelio Santos

É NATAL: EM BELÉM NASCEU REVOLUÇÃO E ESPERANÇA. Marcos Aurelio Santos

Destaque, Destaque News, Rumo ao 15º Intereclesial
“Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor.”(Lucas 2:11) Nasceu o menino pobre da esquecida e marginalizada periferia da Galileia. Menino cheio de graça, compaixão, subversão e esperança, filho de camponeses, peregrinos do amor de Jesus, desprovidos de bens, família de refugiados, vítimas da opressão dos poderes da religião e do estado. Nasceu um novo caminho, caminho de esperança e fé para os cansados, libertação dos cativos. De Belém vem a Simplicidade, a compaixão, a resistência contra as forças ultra conservadoras do sistema dominante na Judeia. O menino libertador não nasceu em berço nobre rodeado de figuras ilustres, o menino nasceu no estábulo, lugar pouco visitado pelas pessoas. Este relato contado nós Evangelhos é de uma profunda significância. Jes
Retórica do governo fomenta violência, diz bispo sobre índios assassinados.  Seguem crucificando Jesus. Dom Roque Paloschi

Retórica do governo fomenta violência, diz bispo sobre índios assassinados. Seguem crucificando Jesus. Dom Roque Paloschi

- SULÃO, Destaque, Destaque News
Para ele, há setores que "manipulam a palavra de Deus para explorar, fomentar o ódio e a violência" contra os índios, e ele adverte: "Usar o nome de Deus para cometer crimes é justamente continuar crucificando Jesus". Arcebispo de Porto Velho e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Dom Roque Paloschi está estupefato diante dos ataques aos índios no Brasil — vítimas de uma onda crescente de atentados que já resultaram em sete mortes de lideranças indígenas este ano. Em conversa com o UOL, ele afirmou que "a retórica do governo que fomenta esse tipo de violência, o ódio e o preconceito aos povos indígenas" e classificou a atitude de "lamentável para as igrejas cristãs". Para ele, há setores que "manipulam a palavra de Deus para explorar, fomentar o ódio e a violência" con
NOTA DO REGIONAL SUL1 DA CNBB  diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo.

NOTA DO REGIONAL SUL1 DA CNBB diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo.

- SULÃO, Destaque, Destaque News
"Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate" (Is 2,4). Nós, Bispos do Regional Sul 1, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo, na madrugada deste 1° de dezembro, em que nove jovens perderam suas vidas e vários outros foram feridos, queremos manifestar nosso lamento pelos atos violentos que resultaram nesta tragédia. Tendo em nossos corações os mesmos sentimentos de Jesus Cristo, repudiamos toda forma de violência, manifestação de ódio e desrespeito à vida. De modo particular, expressamos a fraternal solidariedade da Igreja Católi
A Amazônia é uma região onde a Igreja pode inovar, pode pensar sua pastoral de maneira diferente” afirma Dom Leonardo Steiner novo arcebispo de Manaus

A Amazônia é uma região onde a Igreja pode inovar, pode pensar sua pastoral de maneira diferente” afirma Dom Leonardo Steiner novo arcebispo de Manaus

- NORTÃO, Destaque, Destaque News
No dia 27 de novembro, o papa Francisco aceitava a renúncia do arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriani, e nomeava dom Leonardo Steiner. Depois de sete anos à frente da arquidiocese, dom Sérgio, que tem 65 anos, renuncia em consequência de sua doença, que o limita fisicamente em sua labor pastoral. Dom Leonardo Steiner em coletiva de imprensa. Foto: Arquidiocese de Manaus A reportagem é de Luis Miguel Modino. Na chegada no aeroporto, na noite do dia 27, onde foi recebido por representantes das pastorais e movimentos e os dois bispos auxiliares, dom José Albuquerque de Araújo e dom Edmilson Tadeu Canavarros dos Santos, o novo arcebispo, que até o momento era bispo auxiliar de Brasília, e tem sido secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, no períod
Somos um povo que constrói e vive a esperança, somos povo pascal. CARTA DAS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Somos um povo que constrói e vive a esperança, somos povo pascal. CARTA DAS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE DO ESTADO DE SÃO PAULO

- SULÃO, Destaque
“Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar.” Paulo Freire No chão da Diocese de São José do Rio Preto, nós, animadores das Comunidades Eclesiais de Base, unidos como Colegiada das CEB’s do estado de São Paulo nos reunimos durante os dias 23 e 24 para a última reunião do ano de 2019 e desejamos lançar uma mensagem de gratidão e esperança a cada comunidade do nosso grande estado. O ano de 2019 foi, para todos nós, desafiador. Seja pela conjuntura sócio-política, seja pela realidade eclesial. Este cenário favorece o surgimento de uma onda de pessimismo e desesperança, que gera desarticulação e individualismo pastoral. “Não há espaço para o pessimismo ou o desalento”, nos lembra Francisco.
NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO. SINODAL O modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia.  Agenor Brighenti

NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO. SINODAL O modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia. Agenor Brighenti

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
Fundamental para o exercício da sinodalidade na Igreja na Amazônia é "alargar os espaços para uma presença feminina mais incisiva", por meio de uma “participação ativa na comunidade eclesial” (n. 99). O Capítulo V do Documento Final do Sínodo da Amazônia faz da sinodalidade o modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia. Começa afirmando que, por sua natureza, a Igreja, “enquanto Povo de Deus sob o dinamismo do Espírito” é sinodal - “comunhão e participação, especialmente na ministerialidade e na sacramentalidade”. A sinodalidade “é uma dimensão constitutiva da Igreja” e, portanto, não se pode ser Igreja “sem reconhecer um efetivo exercício do sensus fidei de todo o Povo de Deus” (n. 88). Uma melhor integração da vida consagrada, dos leigos, em especial das mulheres, clama por uma co
IDENTIDADE DO CRISTÃO LEIGO E LEIGA, VERDADEIRAMENTE SUJEITO ECLESIAL.  Marilza José Lopes Schuina

IDENTIDADE DO CRISTÃO LEIGO E LEIGA, VERDADEIRAMENTE SUJEITO ECLESIAL. Marilza José Lopes Schuina

- OESTÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
Participar da função sacerdotal de Cristo nos faz sacerdotes como ele o foi na dimensão do serviço. IDENTIDADE DO CRISTÃO LEIGO E LEIGA, VERDADEIRAMENTE SUJEITO ECLESIAL Marilza José Lopes Schuina Introdução Estaremos comemorando o “Dia Nacional dos Cristãos Leigos e Leigas”, na Solenidade de Cristo Rei, neste domingo, 24 de novembro. Convido-os a uma breve reflexão sobre a identidade do cristão leigo e leiga. Desde o Concílio Vaticano II a Igreja tem dado ênfase ao protagonismo do leigo e da leiga na Igreja e na Sociedade, especialmente a Igreja na América Latina e Caribe, através de suas Conferências Episcopais. Na Conferência de Aparecida (2007), o leigo é apresentado como “verdadeiro sujeito eclesial”. Falar do cristão leigo e leiga como sujeito eclesial é falar de alguém envia