Shadow

Reflexão da Palavra | 4º Domingo do Advento – Ano A

Leituras: Is 7,10-14 – Sl 23 – Rm 1,1-7 – Mt 1,18-24

Por: Quininha Fernandes Pinto, Regional Leste 1

“Vigilância – Conversão – Alegria – Esperança – estas são as 04 palavras de ordem do tempo do Advento! Neste último domingo de preparação para a chegada do nosso Menino, as leituras falam do nascimento miraculoso do Emmanuel, filho de uma virgem, sinal concedido por Deus a um pequeno “resto” dos fiéis que, pela fé nele, serão libertados – cf. Isaías “- . A liturgia deste domingo recorda a realização da Promessa que, com a fiel obediência de José – parceiro do projeto da salvação – junta-se ao “sim” de Maria e possibilita a encarnação do Filho de Deus, como nos lembra o Evangelho de Mateus. Trata-se de um plano de bondade no qual a iniciativa é sempre de Deus. O projeto é d’Ele, nós somos os favorecidos. É a vontade de um Deus que quer estar conosco – Emmanuel = Deus conosco – através de um plano que se encontra com a vontade e a colaboração humana: José e Maria. Maria é a filha e a flor de toda a humanidade, o vértice de toda a espiritualidade e atitudes religiosas; José é o homem “justo”, alertado por um “anjo” que fala ao coração, que lhe diz que Deus tem necessidade dele, que a sua contribuição é importante!

Muitas vezes esta colaboração humana no projeto salvífico é esquecida. Pedimos a Deus que resolva os problemas do nosso país, as nossas necessidades, as injustiças que assolam o nosso mundo, às vezes de maneira mágica e passiva, quando, na verdade, o Senhor espera, pacientemente, o nosso sim, o nosso compromisso, a nossa contribuição para que as coisas aconteçam. A salvação humana não depende, exclusivamente, de uma iniciativa soberana de Deus: o ser humano não deve, nem pode esperá-la passivamente. Deus não nos salva sem a nossa cooperação. Deus respeita os seus filhos como respeitou a liberdade de Maria e José, mas sua fidelidade é sempre total. “Esperançar” é a maneira que temos de contar com a graça e o amor de Deus para fazermos a nossa parte neste processo salvífico. Uma esperança ativa, fecunda, produtiva, resposta agradecida à oferta de amor e felicidade oferecida e revelada por seu Filho, o Emmanuel que se encarnou, veio aqui para nos indicar o caminho de volta ao colo do Pai…

Ainda hoje o Senhor envia seus “anjos” para nos convidar, lembrar, solicitar a fazermos parte de tantos “mutirões” pela paz, contra a fome, pela luta contra o racismo, por liberdade e respeito aos diferentes… Que, como José, juntemo-nos à Maria, e ao seu Filho para que a revolução do amor aconteça!

É isto que celebramos no Natal. É isto que o Deus-Menino espera de nós: que arrumemos a “casa comum” para ficar do jeitinho que seu Pai, nosso Pai sonhou! Que seja assim! Que assim seja. Bjs 🥰no coração ❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.