CEBs/Rondonópolis (MT) refletem sobre importância e próximos passos do Sínodo

Maria de Lourdes (Equipe de Comunicação CEBs/paróquia São José Operário)

A evangelização na Amazônia e o respeito aos recursos naturais foram tema de reunião das CEBs da paróquia São José Operário, em Rondonópolis (MT), e da coordenação das CEBs na diocese de Rondonópolis-Guiratinga.

A atividade ocorreu nesta segunda-feira (25) e foi assessorado pelo bispo dom Juventino Kestering.

Ele falou sobre o Sínodo da Pan-Amazônia, que ocorreu em outubro em Roma com a participação do papa Francisco e tratou da presença espiritual, ambiental e social da igreja na região. Dom Juventino ressaltou que os desafios colocados pelo Sínodo servem de reflexão e ação para a igreja como um todo.

Ele explicou que houve um momento muito importante antes dessa grande reunião entre o papa, bispos, padres, freiras, lideranças religiosas, sociais e ambientais. Foi o processo de escuta feito pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam) junto aos povos da floresta, como os indígenas, ribeirinhos, quebradeiras de coco, seguingueir@s, quilombolas e pequenos agricultores. Um resumo do foi dito nas assembleias, fóruns e rodas de conversa feitas pode ser lido aqui. Foi esse processo de escuta que baseou as discussões e decisões do Sínodo.

Os temas centrais do Sínodo envolveram: missão, inculturação, ecologia integral, defesa dos povos indígenas, rito (espiritual/religioso) amazônico, papel das mulheres na evangelização e novos ministérios, principalmente em áreas de difícil acesso à Eurcaristia.

Dom Juventino também falou das preocupações do papa com a evangelização na Pan-Amazônia, que compreende os países que possuem a floresta amazônica em seus territórios: Brasil, Bolívia, Venezuela, Equador, Peru, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa e Suriname. Em Mato Grosso, a floresta amazônica está presente nos municípios da região Norte, como Alta Floresta, Juruena, Sinop e Colniza.

Essas preocupações têm a ver também com os megaprojetos na região, como as hidrelétricas, o desmatamento, a poluição causada pelas indústrias extrativistas, o narcotráfico, o tráfico de seres humanos, a criminalização de líderes e defensores do território e grupos armados ilegais.

Dom Juventino.

Por isso o papa Francisco nos lembra de cuidar do planeta Terra como se fosse “nossa casa comum”.

Por isso também as igrejas que estão nas fronteiras entre países, como na Pan-Amazônia, devem fazer um trabalho  de acolhida aos migrantes. Isso significa uma conversão integral (pastoral, cultural, ecológica e sinodal). E inclui  trabalho pastoral permanente, pastoral conjunta e liturgia inculturada (baseada nos elementos do cotidiano, da cultura e da espiritualidade dos migrantes).

Significa, ainda, apoio nas questões de saúde e educação, levando suporte médico e promovendo conhecimento ancestral da medicina tradicional de cada cultura.

Entre as ações desta conversão integral também está a formação de agentes de comunicação autófonos (próprios da região), o incentivo à criação de ministérios juvenis e o foco nas famílias.

O encontro de CEBs em Rondonópolis foi proveitoso e muito participativo.

Este encontro foi o encerramento das atividades de CEBs da paróquia São José Operário e também da coordenação diocesana de CEBs deste ano.

One Comment

  • Rinaldo

    Destacamos que estes tem sido tempos desafiadores, mas também de sinais profundos da presença Viva do Espírito Santo em nosso cotidiano, que vai nos impulsionando na Missão… Avante Povo de Deus… Fé, Esperança e Amor na caminhada…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *