LEONARDO BOFF: 80 ANOS DE FECUNDIDADE

O advento do Papa Francisco, com a vital renovação que trouxe para a igreja, encontrou um Leonardo atento e ativo. E quando celebramos seu 80º aniversário, continuamos todos saboreando os frutos de seu ministério teológico e intelectual.

Conheci Leonardo Boff primeiramente através de seus escritos. Quando comecei a estudar Teologia na PUC-Rio em 1975 já tive como leitura para os cursos textos e livros dele. Pouco a pouco sua produção teológica constante e ininterrupta ia sendo por mim lida e apreciada, seja por indicação dos professores, seja por iniciativa própria. Ajudaram-me muito e a muitos e muitas que conheciam seus livros dos anos 70: “Vida para além da morte”, “Minima Sacramentalia”. E, evidentemente, “Jesus Cristo Libertador”.

Graças ao comum e saudoso amigo João Batista Libanio SJ, tive a oportunidade de conhecê-lo mais de perto nos anos 80. Comecei a participar de reuniões por ele organizadas. Nestas, conheci e convivi com pessoas do calibre de Gustavo Gutierrez, Jon Sobrino e tantos outros. A liderança incontestável, porém, era de Leonardo, que a partir da Editora Vozes dirigia revistas, organizava coleções, trazia a público o melhor da teologia que a América Latina produzia naqueles anos

Participei do período em que ele teve dificuldades com a Comissão da Doutrina da Fé, no Vaticano. E qual não foi minha surpresa quando, ao mesmo tempo em que me inteirava da triste notícia do “silêncio obsequioso” que lhe era imposto, recebi um telefonema seu pedindo-me para substituí-lo em Petrópolis, ministrando o curso de Trindade.

E assim aconteceu. Subia entusiasmada a serra toda semana para dar aula. Turma ótima de alunos vigorosos e interessados, em suma maioria franciscanos. Mas havia também alguns cristãos leigos. Após a aula tínhamos conversas das quais não me esqueço: profundas e enriquecedoras.

Esse catarinense, vindo de um Sul brasileiro bem marcado pelo machismo, sempre acreditou nas mulheres e em seu potencial na teologia. Em 1986, como diretor da REB, publicou um número inteiro da revista só com artigos de mulheres teólogas latino-americanas. Creio haver sido a primeira publicação desse gênero no continente. E foi um grande apoio para nós que começávamos apenas a tecer nossa rede e a acreditar em nós mesmas.

No ano de 1989, em maio, defendi minha tese de doutorado em Teologia na Universidade Gregoriana de Roma. Entre os muitos brasileiros – estudantes e professores – que assistiram à minha defesa havia dois muito ilustres: Dom Marcelo Carvalheira (então bispo responsável pelo setor Leigos na CNBB) e Leonardo Boff. Estando em Roma na ocasião, se fez presente com seu apoio e amizade. Jamais esquecerei sua presença naquele dia tão importante para mim.

Dos anos 90 em diante, já não como frade franciscano, lançou-se como pioneiro no tema que seria a grande novidade do pensamento social e da teologia na virada do milênio: a ecologia. Hoje vejo que seu fascínio pela criação e o cosmos já se encontravam latentes em sua espiritualidade franciscana. Apesar de não mais pertencer à Ordem dos Frades Menores, o carisma de Francisco de Assis com seu amor universal pelas criaturas todas continuava selado em sua vida e seu coração. Acadêmico respeitado e convidado no mundo inteiro, continuava produzindo incessantemente e trazendo novas contribuições para a sociedade. E assim segue até hoje.

O advento do Papa Francisco, com a vital renovação que trouxe para a igreja, encontrou um Leonardo atento e ativo. E quando celebramos seu 80º aniversário, continuamos todos saboreando os frutos de seu ministério teológico e intelectual. Constato com imensa alegria o interesse de alunos meus que estudam sua obra. E posso testemunhar da luminosa influência que este sábio octogenário tem sobre as novas gerações que não foram maleficamente captadas pela razão cínica e ainda desejam horizontes mais largos.

Subi a serra mais uma vez para comemorar seus 80 anos. Em uma bela e carinhosa festa organizada com carinho por sua família, seus editores e seus amigos e irmãos franciscanos, tocava a música, ressoavam as palavras e celebrava-se a vida. Talvez o presente maior haja sido a carta pessoal e fraterna escrita ao aniversariante pelo Papa Francisco. Nela, o Pontífice expressava o agradecimento e o reconhecimento por toda uma vida a serviço da justiça e da inteligência da fé e do amor.

Felizes oitenta, caríssimo amigo. É bonito ver você continuando a dar frutos, desafiando o kronos e habitando plenamente o kairos, tempo de Deus. Que Ele continue a abençoá-lo e a fazer de sua vida um verdadeiro milagre de fecundidade!

Maria Clara Bingemer
_____________________________
* Decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.