Shadow

1ª Carta às Comunidades: O TREM DAS CEBS COMEÇA ANDAR

Carta às Comunidades nº 01 Rondonópolis, 30 de junho de 2019.

 

Estimadas comunidades eclesiais espalhadas e organizadas no Brasil e na América Latina!

Sim, o trem das CEBS saiu de Londrina e segue o caminho. A próxima estação do trem das  CEBs será na cidade de Rondonópolis, no coração de Mato Grosso. Tal decisão foi definida no  término do 14º Encontro Intereclesial, realizado de 23 a 28 de janeiro de 2018, em Londrina/PR.  Com muita alegria a Diocese de Rondonópolis-Guiratinga/MT, terra de Boe Bororo, povos  originários deste chão, assumiu sediar o 15º Intereclesial. Assim, pela segunda vez, o Oeste do  Brasil é contemplado com esse encontro que renova, alegra e anima a caminhada da Igreja.  

 A Ampliada Nacional das CEBs, de 05 a 08 de julho de 2018, reunida em Rondonópolis/MT,  teve como propósito proceder a avaliação do 14º Intereclesial, bem como projetar horizontes para  o 15º Intereclesial a se realizar em 2022. O Intereclesial leva em consideração a necessidade de se  desenvolver um trabalho mais próximo das pessoas, das famílias, das pequenas comunidades, bem  como de ajudar os cristãos leigos e leigas a fazerem a experiência de Jesus Cristo a partir de sua  participação em pequenos grupos e em consonância com as orientações do papa Francisco, que  insiste numa Igreja que perceba as necessidades das pessoas, as suas dores e alegrias. Fazendo  valer a nossa história que sempre foi organizada em comunidades de base, nós, Igreja diocesana  presente em Rondonópolis-Guiratinga, em comunhão com o Regional Oeste 2, com a CNBB e  com toda a Igreja no Brasil, assumimos 15º Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base, com intuito de continuarmos sendo esse chão de missão e de fortalecimento das nossas lideranças, na  busca do novo céu e da nova terra conforme inaugurado e propagado por Jesus Cristo de Nazaré. 

E o TEMA e o LEMA? 

Novamente reunida em janeiro (24 a 27 de 2019), em Cuiabá/MT, a Ampliada Nacional  das CEBs, além de outros assuntos abordados, escolheu o tema e lema do 15º Intereclesial a ser  realizado em Rondonópolis-MT, entre os dias 19 a 24 de julho de 2022. Com o tema “CEBs:  Igreja em saída na busca da vida plena para todos e todas” e o lema “Vejam! Eu vou criar  novo céu e uma nova terra” (Is 65,17), levou-se em consideração a solicitação do Papa Francisco  para tornar concreto e real “uma Igreja em saída, que vai ao encontro das periferias sociais e  existências”. Igreja presente, que anuncia o Evangelho, atinge o coração, para que “todos  tenham vida plena”. Vida não para poucos privilegiados, mas vida para todos e todas, para o  planeta, para os povos, independente de raças, culturas ou credos. 

É na conjuntura do momento atual tanto social, eclesial, político e econômico que o 15º  Intereclesial está sendo gestado. Desse modo, o processo de preparação requer esforço  concentrado, especialmente, no resgate de valores importantes: que tipo de sociedade queremos,  qual projeto de nação almejamos, qual o papel e a missão Igreja, das comunidades e da família. 

IGREJA EM SAÍDA 

A Igreja em saída, expressão do Papa Francisco desenvolvida na Exortação Apostólica  Evangelii Gaudium, vem se tornando significativa na vida pastoral da Igreja. Expressa uma Igreja  missionária que sai de si mesma e vai em busca, ao encontro em especial dos pequenos, dos  pobres, dos desvalidos e sofridos da humanidade, os “amados de Deus”. Com essa expressão, o  tema escolhido ajuda as comunidades, as pastorais, os serviços, os movimentos eclesiais a  abraçarem as causas fundamentais que sustentam a vida da humanidade e das comunidades,  interpelando-os à uma evangelização de proximidade e de permanência. O lema, no contexto do  profeta Isaias e do livro do Apocalipse, irradia a perspectiva esperançosa de construir, à luz do  Evangelho e da prática cristã, o sonho do bem viver com “terra, teto e trabalho para todos”,  como afirma Papa Francisco. 

UM SONHO 

O 15º Intereclesial será a continuidade dos catorze intereclesiais anteriores, com seus  aprendizados, suas marcas, seu grito histórico por justiça social, mesmo em meio às contestações e  críticas. Fiéis a Jesus Cristo, ao Evangelho, à Igreja, e a partir de Jesus Cristo, neste processo de  caminhada, tanto a realização do Intereclesial, bem como as ações após 2022 devem ter a marca  da partilha, da celebração, da troca de experiência, da avaliação, do respeito às diferenças, da  tolerância, da interação com o outro, do exercício do ecumenismo e do diálogo inter-religioso, da  vivência da igualdade, da abertura para aprender com o outro, aprender do atual momento  histórico da humanidade, das indicações e linhas pastorais do Papa Francisco, em profunda  comunhão com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.  

A periocidade dos Intereclesiais é como um grito de fortalecimento para tantos que sentem  o peso da vida, os desafios da realidade social e econômica, de tantos desempregados e desvalidos  da vida, de excluídos “quer social, quer existencialmente”, como adverte o Papa Francisco. Mas  também quer ser força para continuar a missão de evangelizar, de transformar o mundo à luz do  Evangelho, de serem lideranças cristãs na comunidade e na sociedade, de resgatarem valores para  a família, para a juventude. Ampliar os valores serve de guia para dar referência objetiva para a  vida no espaço sociocultural de diferentes grupos sociais, na sociedade, nas comunidades, na  família, na juventude e de grupos minoritários.  

O processo de preparação do 15º Intereclesial quer estar atento às marcas de nosso tempo para  “conhecer a realidade à sua volta e nela mergulhar com olhar da fé, em atitude de discernimento (…) porque deseja servir, a Igreja reconhece o momento histórico em que se encontra, sendo  convocada a buscar caminhos para a transmissão da fé e a sedimentação da fé, mesmo que, para  isso, precise abandonar estruturas ultrapassadas que já não facilitem mais a transmissão da  fé” (DGAE 2011-2015. nº 17 e 27). 

A comunidade se aviva quando se torna lugar gostoso de participação pela forma de acolhimento,  de partilha, de respeito pelo diferente, pela mútua ajuda. Daí a importância de implementar nas  comunidades de base, a cultura do encontro, das lideranças como serviço, do resgate da Palavra de  Deus, da Eucaristia, da caridade, de uma catequese vivencial, de atendimento aos adultos, de  espaço para a juventude, dos grupos de família, dos grupos bíblicos, das rezas da devoção popular,  da visão mais crítica do momento atual para discernir o que constrói a pessoa humana na sua  dignidade. 

Após leitura da carta, sugerimos uma roda de conversas: Como vai a nossa  comunidade? O que tem de bom, o que está faltando? Nossa comunidade é aberta ao diálogo, à  acolhida? Como vamos nos preparar melhor para fortalecer a comunidade e preparar os delegados  para o 15° Intereclesial? 

Com abraço fraterno,  

Dom Juventino Kestering,
Bispo de Rondonópolis Guiratinga

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.