1° Encontro Latino-americano de juventudes das CEBs

Teve início neste sábado, o 1° Encontro Latino-americano de juventudes das CEBs na cidade de Guayaquil, Equador.

O primeiro dia de encontro começou com uma dinâmica que propunha em nós os despertares de todos os sentidos e a tomada de consciência dos corpos, dos contos e dos cantos como lugares de partilha da fé e da vida.

Ao longo de todo o dia as juventudes de cada país presente apresentaram, através de um “stand” as ações concretas que realizam em suas comunidades por todo o continente. Para nós, juventude brasileira que pertence também à Pastoral da Juventude, foi um espaço de partilhar a Campanha Nacional de Enfrentamento aos Ciclos de Violência Contra a Mulher – a nossa forma de agir concretamente frente à nossa realidade patriarcal que gera opressão e morte para tantas mulheres.

Fomos também provocadas e provocados à olhar para essas realidades e “sentipensar” juntas e juntos a partir de quatro lentes que nos propõe o Papa Francisco em sua encíclica “A Alegria do Evangelho”: 1) a unidade prevalece sobre o conflito. Somos chamadas e chamados a encarar os conflitos de frente e superá-los através da unidade. Mas não uma unidade a qualquer custo, e sim uma unidade pluriforme que respeita toda a nossa diversidade; 2) a realidade é mais importante que a ideia. É preciso olhar além do culto às ideias e permitir que a realidade agregue força e sentido aos nossos sonhos e ideais ; 3) o todo é superior à parte. O desafio se dá em lutar cotidianamente mantendo um olhar global, e saber equilibrar a nossa militância próxima e diária com o horizonte que se mostra ao longe; e 4) o tempo é superior ao espaço. É necessário gerar processos duradouros que ultrapassem a volatilidade de eventos e ações imediatas.

As atividades oficiais do dia terminaram com o reconhecimento de jogos e atividades lúdicas como ferramentas de resistência e fé em NossAmérica e uma noite cultural que nos confirma que as artes de todos os países presentes são caminhos que geram unidade na pluralidade de idiomas, formas e culturas de nossa América Latina.

“Soy esta tierra
Soy esta gente
Soy mi memória
Y soy esta história”

Por Gabriela Silva, do Regional Sul 2.

 

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.