AS CEBs, COMO VÃO? AS CEBs VÃO BEM, OBRIGADO. Luiz Alberto Gómez de Souza

 

Afirmações discutíveis.

Dois motivos me levam a escrever este texto. Estudiosos da religião e a imprensa vêm repetindo uma afirmação extremamente discutível: o esgotamento das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) com o crescimento correspondente dos carismáticos. Como se estivéssemos diante de um jogo de soma zero, em que um ganha quando o outro perde, ou de uma gangorra, em que um desce para o outro poder subir. Entretanto, mais inquietante é ler, em pessoas que acompanham a caminhada das CEBs, conclusões de desalento, lamentando a diminuição do apoio institucional, nostálgicas de um passado que teria sido mais feliz.

Os primeiros se apressam em tirar conclusões, facilmente acolhidas por todos aqueles para quem as CEBs e as pastorais sociais perturbam, com suas incômodas críticas ao sistema social dominante e a estruturas religiosas autoritárias.  Outros pareceriam perder confiança nas suas propostas e, colocando-se numa atitude defensiva, dão sintomas de sentir-se ameaçados e, talvez mesmo, derrotados por  antecipação.[1]

Gostaria de questionar estes diagnósticos, aparentemente opostos, mas na verdade mais próximos uns dos outros do que parecem à primeira vista, pois  possivelmente trabalham com  alguns pressupostos semelhantes: a visibilidade na mídia como critério de relevância, não saber ler as contradições inevitáveis da realidade e privilegiar a dimensão do poder e da autoridade. Aliás, para entender as análises, há que começar desocultando os pressupostos implícitos em muitas delas.  Serei rápido no primeiro dos pressupostos, alongando-me mais nos dois outros.

Sabemos que a mídia corre atrás de novidades e tem pouca paciência para acompanhar o que se faz habitual. Em geral ela não inventa fatos novos, mas pode engrandecê-los ou negar-lhes importância. Produz freqüentemente uma profecia auto realizada: insistindo no  possível impacto de um determinado acontecimento e dando-lhe muita exposição, acaba induzindo os leitores e os auditores a apoiá-lo, com o que prova logo adiante o que apenas indicava como hipótese. Leva o público a orientar-se na direção de suas afirmações. Aparecer com freqüência na mídia não é necessariamente prova da relevância de um fato. Este último se testa na   sua ação concreta e não apenas no seu reflexo na informação.

Além disso, assim como a mídia pode superestimar um fato, pode também  ignorar ou boicotar outros, aos que não dá  atenção ou sobre os quais gostaria de baixar um véu de silêncio intencional. Passou por alto  ou minimizou as grandes  manifestações de protesto em Brasília ou a recente marcha dos sem-terra, muito mais decisivos do que insignificantes episódios do dia a dia de figurões políticos, que têm sua imagem permanentemente exposta à opinião pública.

A leitura da realidade.

Mas o segundo ponto é mais importante. A realidade é sempre complexa e carregada de contradições. Uma leitura linear ou maniqueísta dela tem grande dificuldade em lidar com estas últimas. E leva a um estranho fenômeno: a idealização e a simplificação do passado, encolhido em apenas alguns de seus aspectos, esquecidas suas contradições;  logo depois,  as tensões e as dificuldades do presente são rapidamente tomadas por sinais de esgotamento e de possível desaparecimento do fato analisado.

Vejamos isso exemplificado nas próprias CEBs e  em análises de conjuntura da Igreja. Quando se fala das CEBs nos anos 70, tempo em que eram novidade para os estudiosos de então, ficam na memória  experiências pioneiras em Goiás, Vitória, Crateús, João Pessoa ou Rio Branco e, logo depois, na periferia de São Paulo. Essa memória é seletiva e retém os aspectos mais significativos e o que eles trouxeram de impacto. Passam-se por alto as dificuldades, os tropeços e inclusive os fracassos. Esquecemos que essas práticas, por mais fortes que tenham sido, eram enormemente minoritárias na Igreja brasileira de então – as minorias abraâmicas de D. Hélder -, sendo violentamente resistidas em um bom número de dioceses.

Analisando os primeiros encontros nacionais das CEBs, os dois primeiros Inter-eclesiais de Vitória ( 1975 e 1976 ), descobrimos ali um pequeno número de participantes, agentes de pastoral,  assessores e bispos. A partir de então o número vai em aumento e é do VI Encontro de Trindade para cá ( 1986 ), que a participação vai chegando aos dois mil delegados e os bispos presentes se aproximaram da centena .[2] Além disso, se fizermos o mapeamento de sua distribuição geográfica, ela se amplia enormemente, cobrindo áreas novas. Houve crises em lugares históricos, no Espírito Santo ou em áreas do nordeste, por exemplo, mas desabrocham no Alto Uruguai ou no interior de Santa Catarina. A quantificação do número das CEBs sempre foi imprecisa, desde as primeiras estimativas, até a pesquisa CERIS/ISER, que tratou desde um recorte  um pouco diferente, as comunidades eclesiais católicas. Porém, o  que se pode dizer com certa segurança é que elas se  mantiveram,  nos últimos anos, no mínimo  entre 60.000 e 80.000  .[3]

Mas a quantidade não é de forma alguma o mais decisivo, porém o impacto e a relevância  na vida eclesial e social. Ao que tudo indica, as CEBs foram se integrando cada vez mais naturalmente na prática de um número crescente de dioceses e se tornaram elementos determinantes nos planos de pastoral. Não  são de maneira alguma corpos estranhos no tecido eclesial. Estão presentes nos momentos significativos da realidade religiosa e social brasileira. E o  fato de serem criticadas e questionadas, pode ser inclusive um sinal indireto de sua importância, por serem incômodas, dentro da própria instituição ou na sociedade, para os que gostariam de anunciar rapidamente sua morte. Os encontros regionais das CEBS têm sido a ocasião para visibilizar seu dinamismo pelo Brasil afora. É só estarmos atentos às informações que chegam das Igrejas particulares e às análises feitas por aqueles que as acompanham de perto para poder perceber sua presença ativa.[4]

Quando uma experiência deixa de ser novidade para integrar-se no cotidiano de uma instituição, podem ocorrer duas coisas e, às vezes, se dá um pouco de cada uma delas. Por um lado, as rotinas e os hábitos tradicionais tentam  reabsorvê-las, cooptando-as e integrando-as em seu velho marco. Mas elas podem também  passar a dar impulso e energia a novos jeitos de ser e de fazer. Isso já foi pressentido quando se passou do carisma ofuscante de Francisco ou de Domingos, para a história dos franciscanos ou dos dominicanos – com crises complexas como a dos “fraticelli”, esmagados pelo poder eclesiástico e vítimas de seus próprios excessos.

Quanto às CEBs, têm havido, é claro, a tentativa de ressituá-las ou de enquadrá-las dentro das estruturas eclesiásticas tradicionais, como uma espécie de sub-paróquias no velho sistema. O documento de Santo Domingo, em 1992, dá indicações nessa direção, ao contrário das conclusões de Puebla, em 1979, onde as CEBs são apresentadas com seu carisma próprio e no que têm de original.[5] É verdade que aqui e ali, debaixo  de seu nome sobrevivem velhos hábitos, mas vendo-as numa análise mais cuidadosa pelo Brasil afora, para quem viaja e participa de cursos e treinamentos, elas foram criando e solidificando um novo espaço popular de intensa participação dos cristãos, de testemunho de fraternidade concreta, de criatividade celebrativa, de fértil leitura bíblica enraizada no cotidiano e de compromisso com a transformação da sociedade. Chegaram para ficar e para renovar as práticas eclesiais. Dificuldades, recuos, crises? Claro que sim. Mas isso não é novidade alguma na história. Freqüentemente, inclusive, as crises são sinal de vida. Não têm crise as experiências mumificadas e empalhadas, que simplesmente sobrevivem por inércia.

A idealização e simplificação do passado e a dificuldade de ler a complexidade do presente, também permeiam algumas análises de conjuntura  da Igreja brasileira nas últimas décadas. Vejamos o caso dos bispos, tão citados nas análises, ainda que não devamos  reduzir a história das Igrejas particulares à de seus pastores.  Escreve-se com nostalgia sobre os  bispos pioneiros das CEBs e das pastorais sociais,  uma geração que vai chegando à aposentadoria, D. Tomás Balduíno, D. Antônio Fragoso, D. Waldyr Calheiros, D. José Rodrigues, Cardeal Arns – sem falar da morte recente do primeiro de todos, o bispo-profeta D. Hélder Câmara. Lembra-se a geração seguinte, D. Moacyr Grechi, D. Luis Fernandes ou D. Pedro Casaldáliga, já pressentindo sua saída do governo diocesano. Mas nem sempre se percebe que a história continua  para a frente com a chegada de outros protagonistas, trazendo novas energias e estilos diferentes [6]. Aliás, os bispos eméritos,  liberados de cargas administrativas, podem exercer uma função pastoral mais livre e mais profética, como vemos com D. José Maria Pires ou D. Cândido Padim.  Esquecemos também que algumas figuras centrais da Igreja latino-americana se transformaram, vindo de posições conservadoras, do integrismo religioso ou, entre nós, do integralismo político.Tudo indica que alguns, quando foram nomeados, não representavam ameaças aos figurinos curiais de então. O caso clássico é o de D. Oscar Romero, transferido de Santiago de Maria para San Salvador, com a desconfiança das comunidades eclesiais da capital e de seus assessores. Hoje se insiste que a escolha de novos bispos se realiza dentro do perfil próprio de uma Igreja “da volta à grande disciplina”. As nomeações, enquanto persistir esse processo de indicação do alto, sem diálogo nem participação  das Igrejas particulares, normalmente se têm feito a partir dos modelos hegemônicos nos centros de poder. Porém  a história traz surpresas e  produz transformações inesperadas. Se isso aconteceu antes, por que não seguirá ocorrendo ainda agora? É enganoso comparar o passado no que já tem de definitivo, com um presente ainda incerto, aberto para avanços ou, também, não esqueçamos, para recuos às vezes bem curiosos. Afinal, pensando na história da Igreja, temos visto processos nessas duas direções…

 Mas cuidado, com isso não queremos ignorar que há conjunturas mais favoráveis do que outras. Parece inegável que a Igreja latino-americana viveu, de Medellin 68 a Puebla 79, uma “década gloriosa”, aberta à experimentação e à audácia. Quem assistiu o clima quase asfixiante de Santo Domingo 92, pode dar-se perfeitamente conta de que a etapa seguinte foi bem mais difícil. Estamos hoje mais perto do estilo centralizado e magisterial de Pio XII, do que do jeito  do bom Papa João, nos tempos do Vaticano II. Entretanto, por que não ousar pressentir movimentos subterrâneos que já podem, quem sabe, estar preparando um Vaticano III? Contei, em texto recente, como D. Hélder e Ivan Illich, ao final do Vaticano II, começaram a pensar no Concílio seguinte e como fui para Cuernava, em 1965, por conta dessa tarefa. Quando transmiti a Alceu Amoroso Lima meus entusiasmos juvenis a esse respeito,  ele me indicou, em carta escrita dias antes do golpe militar que, por sua idade não veria o Vaticano III, mas que talvez eu lá chegasse. Hoje me aproximo dos anos do Dr. Alceu de então, e não tenho tanta  certeza assim. Passo o desafio para os mais jovens.[7] João XXIII falou do Concílio que convocou, como uma “flor de inesperada primavera”. Por que não esperar e ajudar a preparar outra primavera mais adiante? O inesperado não cai do alto já pronto. Ele se gesta nos caminhos submersos da história e nas práticas do cotidiano;  podemos participar de sua criação. Nem o passado foi isento de dificuldades e fracassos, nem o presente está fechado. Nós é que às vezes colaboramos para deixá-lo sem saídas, com nossas inseguranças, frustrações e falta de confiança. “A história não caminha ao ritmo de nossas impaciências”, é a frase do poeta Antonio Machado que gosto de repetir sempre.

As ciladas do poder.

Tenho a impressão de que o pessimismo de certas análises vem da parte de pessoas muito condicionadas pela instituição – especialmente clérigos e religiosos -, sujeitas mais diretamente às pressões da autoridade  eclesiástica. Talvez os leigos, vivendo na sociedade, certamente com outras dificuldades ali, mas também com outros centros de interesse, estejamos menos submetidos às conjunturas eclesiais – ou eclesiásticas –  mais fechadas. Em algumas situações de Igrejas latino-americanas, com episcopados fortemente conservadores, isso pode ser bastante difícil e sofrido. No caso brasileiro, a situação está bem mais aberta. E aqui nos aproximamos do terceiro suposto, talvez o mais importante. Falseamos nossas análises se privilegiarmos em demasia a dimensão da estrutura de poder e de autoridade, fazendo uma leitura de cima para baixo, a partir dos atos do magistério e não da vida eclesial concreta, onde as CEBs continuam a ser determinantes, se levarmos realmente em conta as informações que nos chegam das igrejas particulares.

As análises de conjuntura eclesial freqüentemente põem a ênfase nos aspectos institucionais, dando atenção central às relações com o poder, como se elas fossem as mais determinantes. Sobra pouco espaço, às vezes, para descrever a dinâmica concreta das práticas. Com isso se dá mais importância ao  eclesiástico – o mundo dos clérigos e das regulamentações – , do que  ao eclesial  – o mundo da comunidade de Fé.

No que se refere ao poder eclesiástico, as reações às vezes são inclusive contraditórias. Alguns temem que a aprovação e a oficialização levem à cooptação, para um pouco mais adiante, lamentar a falta de apoio mais explícito da autoridade. Como dirigente da Ação Católica de juventude vivi, faz umas décadas, as ambigüidades do “mandato”,  que o episcopado conferia aos movimentos, oficializando-os. Isso lhes dava uma posição de certo privilégio diante de outras organizações eclesiais, ajudava seus dirigentes a penetrar em dioceses arredias, ou a enfrentar setores relutantes do clero. Por outro lado, outras vezes inibia ousadias e novas experimentações, como as que viveu a Juventude Universitária Católica (JUC) na política estudantil do começo dos anos 60,  em suas relações com outros grupos jovens da esquerda política [8]. O apoio pode ser incentivo, mas também pode asfixiar. Depende de como ele é exercido e recebido.

Mas não sejamos simplistas. Leonardo Boff estudou com maestria a relação entre carisma e poder[9]. Isso lhe valeu não poucos problemas, já que mexeu num vespeiro de suscetibilidades. Os dois elementos convivem na realidade e toda institucionalização não pode escapar de estruturas formais e de mecanismos de regulação e de poder. Os carismas precisam inclusive da sombra do poder para difundir-se e legitimar-se e assim, o santo Francisco de Assis procurou  um dia o poderoso Papa Inocêncio III.

 Entre nós, ninguém experimentou melhor isso do que D. Hélder Câmara, profeta e carisma vivo, mas ao mesmo tempo, hábil e malicioso utilizador do poder e, às vezes, quem sabe, fortemente tentado por esse mesmo poder.[10]  Como Secretário Geral da CNBB, por ele fundada em l952, abria caminho para as audácias que, como Assistente Nacional da Ação Católica desde 1947, permitia que os leigos realizassem. Os que acompanhamos de perto suas ações, sabemos que o segredo de D. Hélder era que, confiando nos leigos e nos jovens, não usou o poder para coibir experiências. Pelo contrário, sem deixar de alertar e mesmo de criticar, paternal e fraternalmente, ele estava atento para que a criatividade e a experimentação não fossem esmagadas pelo medo e pela prudência. Para exemplificar, é muito significativa uma “nota reservada” de D. Hélder aos bispos, em 1960, sobre o encontro dos dez anos da JUC e as notícias deturpadas na imprensa acerca de “rumores de influência marxista” no movimento. Indicando que “aqui e ali, alguma expressão oral ou até escrita se ressinta de imprecisão doutrinária ou se revista de excessiva audácia”, o que não seria de espantar num encontro de jovens, afirmava categoricamente “que a JUC, longe de estar exorbitando ao tentar o esforço que vem tentando, está vivendo uma hora plena e merece o apoio e o estímulo do Exmo. Episcopado”.[11] Ele pressentia que ali estava uma experiência da maior relevância para a Igreja no Brasil. Mais adiante,  já tendo D. Hélder deixado os cargos na CNBB e na Ação Católica, o mandato criou problemas para um compromisso crescente dos jucistas na política universitária e o caráter oficial e mandatado da JUC esteve, em parte, nas origens das crises que levaram à sua extinção. Algo semelhante ocorreu na França e no Canadá com os movimentos equivalentes.[12] As CEBs, em outro contexto eclesial, podem viver  situações até certo ponto análogas. Ligadas  organicamente às igrejas particulares, solicitam o apoio, a orientação e o estímulo dos pastores, mas sem perder as margens da experimentação e da criatividade.

Poder e influência mal compreendidos podem levar a equívocos, não apenas nas análises dos fatos, mas também nas estratégias propostas, na organização das práticas e nos planos de ação. O exemplo do paradigma marxista, desse ponto de vista, é interessante. A análise de Marx, com todas as suas limitações, é um instrumento útil para apreender e criticar os mecanismos do sistema capitalista e suas estruturas de poder econômico, político e social. Torna-se bem mais discutível quando é utilizada para desenhar um projeto socialista  onde, em sua vertente leninista, privilegia os próprios mecanismos de poder do sistema, para tentar criar um caminho alternativo impositivo, a partir da tomada do poder por uma revolução política. O socialismo real não é apenas uma distorção acidental,  mas está inscrito na própria lógica de uma proposta que nasceu autoritária. Também a categoria gramsciana de hegemonia, útil para conhecer a “direção intelectual e moral” dos setores dominantes, pode ser ambígua se proposta como receita para a criação de outra hegemonia, que simplesmente inverte a situação vigente, sem questioná-la em seus fundamentos e em sua lógica interna. Nesse sentido, o marxismo é terrivelmente prisioneiro dos paradigmas da modernidade e da razão instrumental. Criticando certeiramente o capitalismo, não consegue negá-lo dialeticamente – apesar de fazer todo um discurso sobre a dialética – para tentar ir mais além de seus mecanismos habituais de poder. Utilizar esses mesmos mecanismos  – a coerção de Gramsci – para destruir a hegemonia anterior, é cair prisioneiro de seus supostos, reproduzindo-os pouco mais adiante e ser incapaz de superá-los. Capitalismo real e socialismo real foram sendo verdadeiros irmãos siameses, filhos da mesma modernidade. Um processo violento contra a violência, ou autoritário contra a autoridade, é autodestrutivo. Às vezes, o que vemos é a reação contra uma certa utilização do poder, não a crítica radical do poder constituído com seus mecanismos perversos. Sempre teremos de conviver com algum tipo de poder e com sua presença  na transformação da sociedade, mas é necessário repensá-lo e revisá-lo em profundidade e em sua lógica interna de funcionamento.

A transformação da sociedade não se faz de cima para baixo, mas se prepara dentro dela, em suas diferentes estruturas e espaços. É esse o sentido do chamado de Betinho, em lúcido e certeiro artigo pouco antes de uma eleição presidencial, que tinha o título de “Opção pela sociedade”. Ali ele alertava  que as mudanças societais mais profundas não podem ficar  na dependência de trocas na cúpula do poder político .[13] Depois das apostas nas revoluções políticas, nos dois últimos séculos – a de Outubro se liquefez, vítima de seus limites – sentimos que há alguma coisa mais profunda, um verdadeiro processo de mutações sociais, no contexto de uma crise de civilização, que recria, a médio e longo prazo, todo o tecido social.[14]

Algo semelhante, talvez, deveria ser dito em relação às transformações eclesiais. A história da Igreja não se resume às crônicas dos pontificados – alguns bem pouco edificantes – , ou  dos documentos dos episcopados, mas  vai  se processando em todo o corpo eclesial, sacudido pela ação do Espírito, através dos carismas dos fundadores e dos reformadores e principalmente da Fé e da Caridade, sem esquecer a atenta Esperança, na vida concreta dos cristãos. Os bispos holandeses, em 1960, preparando o Vaticano II, indicaram que um concílio, ato colegiado do magistério, era “a concretização , particularmente expressiva, do que já ocorria, de maneira mais ou menos despercebida, na vida do povo de Deus”[15]. E a caminhada das CEBs certamente é uma contribuição nesse processo mais amplo da Igreja.

Um paradigma de pluralismo.

Por que digo tudo isto? É o momento não apenas de criticar os pressupostos implícitos nas análises que andam por aí, mas de procurar caminhos teóricos e práticos para  propostas alternativas e para novas práticas, a partir de outros paradigmas. E um deles é o paradigma da diversidade e do pluralismo, em reação à tentação totalitária e totalizante do século XX e que, em termos eclesiais, se realiza como integrismo. O mundo que está nascendo vai se abrindo ao pluralismo e à diversidade, apesar dos esforços do velho sistema – capitalismo real ou socialismo real, não importa – para homogeneizar, massificar e centralizar. Ou da tentação de cristandade ou de nova cristandade.

Talvez o leitor se pergunte pela razão destas considerações, num texto sobre as CEBs . É que estas, talvez não conscientemente, nasceram e se inscrevem já no âmbito experimental de um novo paradigma. Um texto anterior, publicado em 1992 e preparado para o primeiro seminário nacional em Goiânia sobre as CEBs, começava com a pergunta: centralização ou pluralidade? E trazia logo a indicação: o caminho criativo das CEBs. Ali se dizia que as CEBs surgiram “no novo clima pós-68, e poderíamos dizer pós Vaticano II”. Elas correspondem a um novo tipo, inédito, de organização. Em lugar dos movimentos centralizados, com direção nacional e mesmo internacional, próprios do mundo industrial moderno, como foi inclusive o caso da Ação Católica especializada de minha juventude, as CEBs são sobretudo uma rede de experiências eclesiais diversificadas, diferentes entre si, não  seguindo uma receita prefixada, mas respondendo aos desafios de realidades sociais e eclesiais específicas[16].

 Uma CEB de Goiás nasceu diferente de outra de Crateús ou de São Paulo. Sem secretariado nacional, apenas uma “comissão ampliada” faz a ponte entre os encontros nacionais, significativamente chamados de Intereclesiais, isto é, intercomunicando igrejas particulares. Trata-se de outra concepção, diferente de movimentos centralizados como Opus Dei ou Comunhão e Libertação, muito voltados para a obtenção de poder e com laços bem palpáveis com o mundo industrial capitalista moderno. As CEBs  experimentam, talvez sem se darem bem conta, um novo paradigma de atuação. Nesse sentido, elas são mais originais do que imaginam. O século XIX, depois da primeira revolução industrial, nos deu as centrais sindicais, as grandes burocracias e preparou as gigantescas urbanizações e a produção fordista em série de enormes conglomerados. Hoje, as forças produtivas da nova revolução tecnológica da informática nos permitem entrar nas redes de intercomunicação, com a possibilidade de novas maneiras de produzir bens e de organizar-se em sociedade, a partir de unidades menores descentralizadas.

As CEBs são novos jeitos de ser Igreja. Prefiro o plural, já que não há uma receita  única prefixada. E tenho dificuldade com a idéia de que já constituam a nova maneira de toda a Igreja ser, o que pareceria a imposição precipitada de um modelo, dentro dos velhos hábitos mentais da fórmula única. Na Igreja, vivemos neste segundo milênio, um processo que começou com a reforma gregoriana do século XI, centrada nos clérigos, para defendê-la, naquele momento, do poder político feudal. Não estaremos experimentando, aos poucos, outras maneiras de ser, de fazer e de viver a Fé no próximo milênio? As CEBs não poderão estar sendo laboratórios desta eclesiogênese do futuro?[17]

Mas o pluralismo não é apenas uma exigência interna, ele se impõe diante de outras experiências,  do ecumenismo ao diálogo inter-religioso e, evidentemente, no diálogo dentro do próprio mundo católico. Disputar hegemonia com outros movimentos ou ficar na defensiva diante deles, é cair na velha tentação da intolerância e da  fórmula única, ainda que camuflada. Às vezes, há mais compreensão com os cultos afros ou as experiências orientais do que com os  pentecostais evangélicos ou com os carismáticos católicos.

Comunidade e massa.

O crescimento do movimento carismático é  sinal de uma enorme sede de sagrado que sacode o mundo moderno em crise. Este apostava num processo de secularização e de superação do religioso. Hoje, o religioso está mais presente do que nunca. Não é que tenha ocorrido uma  volta do sagrado; ele nunca se afastou da realidade. As análises modernizantes é que tentavam em vão negá-lo, até que sua força e vitalidade fizeram ruir as pretensões de um desencantamento do mundo[18]. Há um clima de busca de transcendência e uma sensibilidade acesa diante do mysterium tremendum, donuminoso analisado por Rudolph Otto em livro clássico.[19] E a explosão dos novos movimentos no mundo cristão e  no mundo católico em particular, tem a ver com essas expectativas. Inclusive as várias experiências pastorais adquiriram elementos desse novo estilo.

Lembro que, durante o VI Intereclesial de Trindade, tinha de passar diante de uma igreja evangélica pentecostal antes de ir para o plenarião das CEBs. Havia um clima, no ritmo, na música e na dança, que aproximava, com as devidas diferenças, esses dois espaços religiosos. As celebrações das CEBs  – vivemos isso intensamente no IX Intereclesial de São Luis  – são cada vez mais telúricas, carregadas de simbologia, de gestual, de uso do corpo e dos elementos da natureza. Faz anos, uma reforma litúrgica moderna e elitista, voltava ao gregoriano e à sobriedade das celebrações, em reação à religiosidade popular do “Queremos Deus” e de “Com minha mãe estarei”. O povo reapropriou-se das liturgias e voltaram as romarias, os benditos e os cantos de louvação.  A cultura e a sensibilidade das bases trouxeram novamente o colorido da festa e da participação das massas. Gustavo Gutiérrez, no Seminário Teológico Internacional de São Paulo, em 1980, insistia na necessidade de uma pastoral de massa. Foi o tema do Intereclesial de São Luis em 1997. Mas o desafio é como articular comunicação de massa e pequena comunidade, mídia e encontro interpessoal.

A dúvida diante de certas experiências de movimentos recentes e das mobilizações aeróbicas, não é tanto pelo que elas despertam, já que podem ser aproximações para a descoberta de Deus, como uma etapa  de  iniciação e de catecumenato para a Fé, mas freqüentemente anterior a ela.  A questão é saber como esses atos-espetáculo, às vezes espasmódicos, podem ter continuidade, no cotidiano da vida eclesial e encaminhar a uma real vivência cristã, com tudo o que isso implica. Vimos, nos anos 70, surgirem entusiastas propostas de movimentos de jovens que deixaram poucos sinais. Tantos cursilhos levaram a aparentes conversões repentinas que, sem apoio, perderam logo adiante sua força convocatória inicial. O grande desafio, aliás, para as religiões em nossos dias, diante dessa sede de sagrado, é de criarem espaços de acolhimento e de alimentação permanentes.  Ofuscados pela grandiosidade das mobilizações recentes, num clima de um certo triunfalismo e de competição com outras  religiões que pareciam mais exitosas até bem pouco tempo atrás, pode-se perder um certo sentido crítico e passar por cima  das reais exigências de uma Fé adulta. Não sei se alguns desses movimentos recentes poderão responder a estas últimas. O seguimento de Jesus tem de levar a uma Caridade ancorada no compromisso com os pobres e com a justiça social e à criação de comunidades. A volta para um espiritualismo intimista seria uma regressão de todo um ganho das últimas décadas, no esforço de unir Fé e vida concreta , construção do Reino e de um mundo mais justo e mais humano[20].

A velha Ação Católica especializada, com seu ver-julgar-agir e sua revisão de vida, suas reuniões periódicas, foi escola de “formação na ação” e marcou várias gerações daqueles anos. Hoje as CEBs, as pastorais de juventude e os círculos bíblicos, com a regularidade de suas celebrações e de seus espaços de reflexão e de espiritualidade, parecem continuar essa tradição. Além disso,  surgem por toda a parte grupos de oração e de vivência cristã. Entretanto, num outro clima, muitos deles evitam a formalização e têm, inclusive, uma certa resistência ao institucional. Não é o caso das CEBs, ligadas às igrejas particulares, que entretanto, tentam guardar também uma certa liberdade de ser e de fazer e uma flexibilidade institucional.

Experimentações em aberto.

As CEBs são vitais porque experimentais, ágeis e pluriformes. Há que deixar as práticas procurarem seus caminhos, como os rios novos, tal como o  Araguaia, refazendo a cada ano seu leito. Por essa razão, temo quando se propõe formalizá-las muito rapidamente, sob o pretexto de protegê-las ou em nome de uma enganosa eficiência. Não há que engessá-las no figurino estreito dos códigos ou das regulamentações. Volta sempre a tentação do velho paradigma, quando aparecem propostas para transformá-las em movimentos tradicionais, com suas direções e diretrizes ao velho estilo. Aliás, elas não são uma experiência entre outras, mas a própria Igreja que se experimenta na base, de várias maneiras, sem intenção de exclusividade ou de privatizar para si os apoios ou incentivos. Elas sobreviverão, não pela aprovação que recebam, mas se realmente souberem corresponder a uma necessidade vital e profunda da vida eclesial. E como as próprias necessidades mudam,  também se abrem a novas problemáticas e a novas perspectivas. As CEBs nasceram ligadas às lutas dos setores populares dos anos 70 e à resistência contra o regime autoritário e concentrador de riqueza. Na medida em que novos horizontes se vislumbram ao nível do real e da consciência possível – os temas de gênero, de subjetividade, de raça, do corpo e do prazer, da ecologia  – elas vão ampliando sua visão, às vezes com dificuldade, mas sempre no marco de suas opções irrenunciáveis diante do conflito social.

Acompanhá-las nos últimos anos é sentir esse processo como fez, em excelente texto, Clodovis Boff[21]. Dois exemplos podem ilustrar. Um que vai do VIII  Intereclesial de 1992 em Santa Maria, ao IX Encontro de São Luis, em 1997. Naquele, uma violenta crise eclodiu com respeito à presença de participantes de cultos afro-brasileiros e às reivindicações do plenário das mulheres. Muitos se assustaram e temeram sanções. Mas esse tipo de crise tem suas vantagens. Ele faz aflorar temas submersos, os expõe ao debate – com o risco, é claro, de atos cortantes da autoridade – e, pouco a pouco, os problemas a princípio aparentemente insolúveis, vão sendo encarados com maior maturidade e tranquilidade e se incorporam nas práticas concretas. A solução se encontra no nível do cotidiano, da criação de novos hábitos e não no debate teórico abstrato, freqüentemente ideológico e emocional. Passaram-se uns anos desde o VIII Encontro e, nas grandes celebrações de São Luis, vimos a naturalidade da presença do afro-brasileiro e a visibilidade da liderança feminina emergente e irradiante.

 Ainda falta muito no que se refere ao gênero, numa Igreja em que o sabor é ainda dado pelo masculino, para usar expressão de Ivone Gebara.[22] Mas é inquestionável que as CEBs são sustentadas basicamente pelas mulheres. E vão adquirindo uma cor e um jeito das raças e das culturas do país. É verdade que a cultura  de imigração européia na cidade-sede de Santa Maria de 1992, era diferente do mundo maranhense de 1997, marcado pelo negro e pelo índio e pela influência iorubá. Mas mesmo assim, independentemente da diferença do espaço físico, foram ocorrendo visíveis mudanças no tempo. A caminhada das CEBs passou da “bitola estreita” das lutas populares dos anos 70, para a problemática mais ampla dos anos 90, usando a expressão consagrada do trem das CEBs e de seus trilhos de  percurso[23]. O que não impede que sigam ocorrendo dificuldades, trocas de cartas e denúncias,  como aconteceu depois dos dois últimos encontros. Faz parte do processo.

Não é o caso de apresentar um panorama unilateral e demasiadamente otimista. Coerente com o dito atrás, sobre a complexidade da história, há que reconhecer momentos de indecisão, de desesperança, de regressão e de desaparecimento de experiências. A crise ideológica que acompanhou o fim do socialismo real, trouxe desorientação para quem tinha apostado em certos modelos sociais e políticos. Custou e custa ainda para muitos, adaptar-se a outra postura de construção aberta e não dogmática do futuro. Podem confundir o fim de certos projetos com o fim de qualquer utopia ou sociedade alternativa. E nem sempre  os velhos hábitos são fáceis de superar, como o machismo e o racismo inconscientes. Além disso, o país atravessa uma situação econômica extremamente difícil e em deterioração crescente, onde as políticas governamentais tornam  as desigualdades cada vez mais dramáticas. Os membros das CEBs são então obrigados a lutar por uma sobrevivência imediata, num clima de insegurança, de desalento e de medo diante da  exclusão, dos desafios no acesso ao trabalho e ao emprego. Mas aí, inclusive, é interessante constatar a capacidade de resistência e de criatividade, especialmente das mulheres. Vão surgindo assim, nas bases, experiências de  empreendimentos comunitários, no sentido de uma nova economia solidária. Há uma energia vital e profunda que tira, das mesmas dificuldades, forças para superá-las.Isso se reflete nas práticas novas de produção, de convivência, de compromisso, de luta e  de viver a Fé. Fica visível nos gestos de Esperança das celebrações e na leitura bíblica que procura mais adiante uma terra prometida por Deus.

O outro exemplo está ainda em aberto: de Santo Domingo 1992 a Ilhéus 2000. Os que estivemos presentes no momento de completar-se quinhentos anos da chegada de Colombo às Antilhas, vivemos a tristeza e a frustração de ver o arcebispo  da capital da República Dominicana fechar a catedral e impedir ali uma celebração penitencial de desagravo aos negros, maioria da população local e aos índios, dizimados pelo genocídio. O ato foi feito com pequena participação dos delegados ao encontro dos bispos, ficando marginal ao evento oficial. Isso no mesmo momento em que João Paulo II dava o exemplo de pedir perdão diante de vários fatos históricos. No ano 2000, são os nossos quinhentos anos. As CEBs se encontrarão em Ilhéus, próxima do Monte Pascoal. Elas pretendem caminhar em direção ao aldeamento vizinho dos pataxós, donos originários daquelas terras, pedindo perdão e licença para encontrar seus parentes mais antigos, na busca de uma reconciliação que tem de passar por uma contrição pública. A maneira como isso se der – e é também um desafio aos pastores da Igreja brasileira reunidos em Assembléia  perto dali – vai indicar o grau de amadurecimento do processo eclesial.

Caminhada é um termo muito empregado nas CEBs. Eclesiogênese, dissemos atrás. As CEBs como gênese de uma Igreja que tem de se remoçar permanentemente, buscando a juventude mais adiante – como o  princípio- Esperança de Ernst Bloch, ou a virtude teologal do mesmo nome[24]. Há processos que vivem a entropia da regressão e a vida de cada um de nós avança para seu fim. Também a vida da espécie terá um termo a longo prazo. Mas nos grandes ritmos da história e para além das grandes crises de civilização, a humanidade e a Igreja podem renovar-se pelos carismas das refundações, pelas novas correntes de espiritualidade e de santidade e pela prática dos fiéis . Isso não se dá na repetição, mas na emergência de uma novidade criadora, de uma Boa Nova em reconstrução permanente. Não será este o sentido profundo que esperamos da Evangelização para o novo milênio? Para além dos diagnósticos sombrios, gostaria de indicar como uma constatação e também como uma aposta, que as CEBs certamente exercerão  um papel decisivo nos anos futuros, recriando permanentemente espaços de anúncio,  de crescimento na Fé e de transformação da sociedade.

Notas:

[1] Ver notícias recentes na imprensa: “CEBs se interrogam sobre seu papel”, Jornal do Brasil, 31 de outubro de 1999, p.11. Comparações entre CEBs e Renovação Carismática em “A fôrça católica”, Veja, 20 de outubro de 1999, pp. 150-151 e “A festa no altar”,Época, 18 de outubro de 1999, pp. 28-31. Alguns rapidamente se apressam em anunciar a morte de uma teologia da libertação mal entendida – materialista! Ver Otávio Frias Filho, “Réquiem para a libertação”, Folha de São Paulo, 21 de outubro de 1999, p. 1-2  e a resposta oportuna de João Batista Libânio s.j., ressituando a Igreja da libertação e indicando seu futuro ( Folha de São Paulo, 28 de outubro de 1999, p. 1-3 ). Temos lido “brasilianistas” proclamarem o fim das CEBs por não as encontrarem mais no centro das atenções da mídia ou da academia.

[2] Ver Faustino Luiz Couto Teixeira, Os encontros Intereclesiais de CEBs no Brasil, Paulinas, São Paulo, 1996.

[3] Frei Betto, há quase vinte anos atrás calculava as CEBs em cerca de 80.000, reunindo cerca de dois milhões de fiéis ( do autor, O que é comunidade de base, São Paulo, Brasiliense, 1981). Outro livro na mesma ocasião falava de 100.000 ( Helena Salem (ed.), A Igreja dos oprimidos, São Paulo, Brasil Debates, l981). Ver para as comunidades católicas, Rogerio Valle e Marcelo Pitta, Comunidades eclesiais católicas: resultados estatísticos no Brasil, Vozes/CERIS, Petrópolis, 1994. A partir dessa última informação,  Pedro de  A. Ribeiro de Oliveira em seu texto “CEB: unidade estruturante de Igreja”, chega  a uma quantidade em torno a 70.000 ( in Clodovis Boff et al ., As comunidades de base em questão, Paulinas, São Paulo, 1997, p. 131).

[4] Para sentir a situação presente das CEBs, num balanço ao mesmo tempo concreto e analítico, ver  10º  Encontro Intereclesial , CEBs: povo de Deus, 2.000 anos de caminhadaTexto-base, Fonte Vida, Paulo Afonso, 1999.

[5] Ver Conclusões da IV Conferência do Episcopado Latino-Americano, Santo Domingo, texto oficial, Paulinas, São Paulo, 1992, onde no n. 61 se diz que a CEB “ é célula viva da paróquia, entendida como comunhão orgânica e missionária”( p. 104 ). Em Puebla elas tinham sido apresentadas como “centros de evangelização  e motores de libertação e de esperança”( n. 96),  onde se ensaiam “formas de organização e estruturas de participação, capazes de abrir caminho para um tipo mais humano de sociedade” ( n. 273 ). Nelas se expressa “o amor preferencial da Igreja pelo povo simples” e se realiza “a participação na  tarefa eclesial e no compromisso de transformar o mundo”( n.643 )  (III  Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, A Igreja na atual transformação da América Latina à luz do Concílio, Vozes, Petrópolis, 1979.

[6] Em entrevista  recente, o Cardeal Aloísio Lorscheider aponta nessa direção: “Eu sinto que esses bispos novos que estão surgindo vão ser muito parecidos … com a velha guarda. Nós, antigos, tivemos uma época muito difícil… Houve totalitarismo no Brasil e podemos dizer que a única voz que podia se fazer ouvir era a voz da  Igreja… Hoje a gente vive uma conjuntura diferente, a conjuntura do neoliberalismo, que é também muito difícil. É uma conjuntura mais econômica e… de sobrevivência do povo … não tenho dúvida de que o novo episcopado brasileiro irá continuar toda a nossa trajetória e, certamente fará ainda melhor, porque as possibilidades são bem maiores, a começar pela comunicação”. E sobre os novos movimentos que aparecem na mídia e que serão tratados neste texto mais adiante, afirma: “Eu pessoalmente não bato palmas para isso. Acho que não é por aí que nós vamos conseguir aquilo que o Papa chama de ‘nova evangelização’. É um meio, mas eu não diria que aí está a solução … a Igreja tem de continuar com seu trabalho orgânico, humilde, sempre confiando no Espírito Santo e lembrando que nosso Senhor gosta muito daquelas ações silenciosas, que não são publicadas” ( Jornal de Opinião, 8-14 de novembro de 1999).

[7] L.A.G. de Souza, “A caminhada de Medellin a Puebla”, Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, n 31,1999, pp. 224 e 233-234 . Alceu Amoroso Lima indicava, em sua carta de março de 1964: “Você é  um militante, um engajado e diz, muito bem , que está no grupo dos que já ‘estão preparando  o Vaticano III’ , com  toda a razão. Do meu canto, do meu observatório de aposentado, em todos os sentidos, de livre atirador, de peregrino  e mais nada , sinto perfeitamente que o impulso dado por João XXIII ainda não será neste século que se incorporará `a Igreja. Talvez se João XXIII tivesse acompanhado o Vaticano até o fim…. Nós, eu pelo menos, não verei o III. Você talvez. Mas, de qualquer modo, eu no meu canto de velho reformado, você na linha de combate, estamos realmente preparando os caminhos para o Cristo do século XXI, como o fizeram os 72 discípulos, que ele mandou  dois a dois, prepararem os caminhos…” (in L.A.G. de Souza, “Amoroso Lima, na permanente preparação da Idade Nova”, Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis,  vol. 43, fasc. 172, dezembro de 1983, p. 711). Com alegria vejo que  em  7 de outubro de 1999, no  Sínodo da Europa, o Cardeal de Milão, Carlos Maria Martini, expressou seus sonhos ( retomou idéia do Cardeal Basil Hume e  de Luther King, “Eu tive um sonho”), e indicou os temas-nodais que a Igreja deveria enfrentar nos próximos anos: “a  posição da mulher na sociedade e na Igreja, a participação dos leigos em algumas responsabilidades ministeriais, a sexualidade, a disciplina do matrimônio, a prática penitencial, as relações com as Igrejas irmãs da Ortodoxia e,  mais em geral, a necessidade de reavivar a esperança ecumênica”. E assim terminou sua intervenção:  “Somos levados a interrogar-nos se, quarenta anos depois do início do Vaticano II, não estará amadurecendo pouco a pouco, para o próximo decênio, a utilidade e quase a necessidade de um confronto colegial e autorizado entre todos os bispos, sobre alguns temas nucleares que emergiram neste período. Além disso, há a sensação de como seria belo e útil para os bispos de hoje e de amanhã, numa Igreja sempre mais diversificada em suas linguagens, repetir aquela experiência de comunhão, de colegialidade e de Espírito Santo, que seus predecessores viveram no Vaticano II e que agora só é memória viva para poucas testemunhas. Peçamos ao Senhor, por intercessão de Maria, que estava com os apóstolos no Cenáculo,  que nos ilumine para discernir se, como e quando os nossos sonhos poderão tornar-se realidade” (Publicada na íntegra em Adista, Roma, n. 73, 16 de outubro de 1999, p.3. A síntese em L’Osservatore Romano, n 43 (1558) de 23 de outubro, ignora toda esta parte central da exposição). A idéia de um  novo Concílio está posta, por voz mais do que autorizada… Talvez a agenda indicada seja muito européia;  faltariam, entre outros, os temas do pobre, da justiça social e da exclusão.

[8] L.A.G. de Souza, A JUC: os estudantes católicos e a política, Vozes, Petrópolis, 1984, pp. 153-212.

[9] Leonardo Boff, Igreja, carisma e poder, Vozes, Petrópolis, 1981.Um dos capítulos vale ser relido, em relação ao tema aqui tratado: Cap. IX, “A comunidade eclesial de base : o mínimo do mínimo”, pp. 196-203.

[10] O subtítulo de uma excelente biografia de D. Hélder aponta o dilema: Nelson Piletti e Walter Praxedes, Dom Hélder Câmara. Entre o poder e a profecia , ed. Ática, São Paulo, 1997.

[11] Ver em L.A.G. de Souza, “D. Hélder, irmão dos pobres”, in  Classes populares e Igreja nos caminhos da história, Vozes, Petrópolis, 1982, cap. XX, p. 290.

[12]  A JUC, op. cit., pp 213-250.

[13] Herbert José de Souza, “Opção pela sociedade”, Jornal do Brasil, 18 de agosto de 1994. E dizia: “sem mudar a sociedade não adianta mudar o governo. A mudança é aparente, é uma armadilha”.

[14] L.A.G.de Souza “Um tecido social em mutação”, Tempo e Presença, Rio de Janeiro, julho-agosto de 1995, pp. 5-8.

[15] Ver Documentation Catholique, Paris, n.  1354, 18 de junho de 1961.

[16] L.A.G. de Souza, “Centralização ou pluralidade? O caminho criativo das CEBs”, Mutações Sociais, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, julho-setembro de 1992, pp. 5-11.  Pedro de Assis Ribeiro de Oliveira, estudando recentemente o problema estrutural das CEBs, trata da “organização em rede”. Ver  “ CEB: unidade estruturante...”. op. cit., pp. 135-138 e 157-160. Para a idéia de rede, ver Francisco Whitaker Ferreira, “Rede: estrutura alternativa de organização”, Vida Pastoral, 173, nov.-dezembro de 1993, pp. 15-20.

[17] Leonardo Boff, “Eclesiogênese: as Comunidades eclesiais de base re-inventam a Igreja”,  SEDOC, vol. 9, outubro de 1976, pp. 393-438.

[18]  L.A.G. de Souza, “Secularização em declínio e potencialidade transformadora do sagrado, Religião e movimentos sociais na emergência do homem planetário”, Religião e Sociedade, 13/2, julho de 1986, pp. 2-16.

[19] Rudolph Otto, Lo santo. Lo racional y lo irracional en la idea de Dios,  trad. esp.,  Alianza Editorial, Madri, 1985.

[20]  L.A.G. de Souza, “Os desafios do Pe. Marcelo Rossi”, Boletim Rede, Petrópolis, CAAL/Rede, ano VII nº 75, março de 1999. Fato e Razão, MFC, Belo Horizonte, nº 38, 1999.

[21]  Clodovis Boff, “ CEBs: a que ponto estão e para onde vão”, em  As comunidades de base em questão, op.cit, pp. 251-305.

[22]  Carta de Ivone Gebara, de 30 de maio de 1995, escrita “com sabor de mel”, em que fala do medo, na Igreja, da “diversidade de sabores e odores”. Boletim Rede, Petrópolis, CAAL/Rede, ano III, nº 32, agosto de 1995.

[23]  L.A.G.de Souza, “O trem das CEBs com bitola larga”, Tempo e Presença, Rio de Janeiro, nº 265, outubro de 1992.

[24]  Em prefácio para o livro de Faustino Teixeira sobre a gênese das CEBs, indiquei que “não há um gênese que se esgota nas CEBs, mas elas são processos em curso, gênese que se projeta para rever-se e inventar coisas inéditas… elas brotam da diversidade e, felizmente, se mantêm na diversidade… não é um modelo diferente, mas antes de tudo um percurso em marcha, ligado àquela força transformadora com sua fonte no futuro. Aliás, isso não é novidade, a Igreja, desde suas origens, sempre foi atravessada por carismas que a remoçaram, ao nível da consciência possível de cada época. Aí reside a tradicionalidade das CEBs: elas estão sendo hoje, na América Latina, o que foram, em outros tempos e lugares, correntes renovadoras que varreram rotinas  e tradicionalismos (enquanto tradição mumificada) e trazem até nós o sopro do Espírito que dá e refaz permanentemente a vida”. “Prefácio”,  in  Faustino Luiz Couto Teixeira,A gênese das CEBs no Brasil. Elementos explicativos, Paulinas, São Paulo, 1988, pp.12-14.

 Luiz Alberto Gómez de Souza

Sociólogo, assessor das CEBs, de  movimentos e pastorais sociais

Fonte: comunidade-cebs.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.