Shadow

olhares

Em tempos de politicalha, a necropolítica, acima de tudo, é anticristã.

Em tempos de politicalha, a necropolítica, acima de tudo, é anticristã.

olhares
Pe. Jean Marie Van Damme (Pe. João Maria – assessor das CEBs NE V). Foto: Arquivo MST Em 1945, a FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura) foi instituída no dia 16 de outubro e essa data começou a ser considerada, desde 1981, como Dia Mundial da Alimentação[1]. No Brasil, há cerca de 20 anos que estão sendo realizadas as Semanas Nacionais da Alimentação[2]. Evito a usar a palavra “celebrar ou comemorar”, porque realmente, neste ano de 2021, há pouco para se festejar. O Brasil e o mundo estão fazendo um caminho de volta ao passado, em que a fome e a insegurança alimentar retomam dimensões alarmantes. E não é só por causa da pandemia. Relatório da ONU afirma que desde 2016, a fome começou a aumentar, disparando mais a partir de 2020[3]. Sobretudo mulheres e crianças tornaram-...
Fica cada vez mais claro a que tipo de abutres o Brasil foi entregue

Fica cada vez mais claro a que tipo de abutres o Brasil foi entregue

olhares
Pe. Jean Marie Van Damme (Pe. João Maria – assessor das CEBs NE V). As manifestações do dia 2 de outubro mostraram que a descrença no governo federal cresce a cada dia. Houve mais gente na rua do que no dia 12 de setembro e em maior número de cidades, protestando contra os aumentos de preços da alimentação, do gás, do combustível, da energia, contra a PEC 32 e a necropolítica (isto é, o poder de ditar quem pode viver e quem deve morrer), cobrando vacinas e pressionando pelo afastamento do presidente insano. Mesmo assim, o número de manifestantes ficou abaixo do esperado, apesar da diminuição do perigo da contaminação. Não apareceram os milhões, as massas. Predominaram os representantes de um leque de partidos maior do que em outras ocasiões. Junto aos tradicionais partidos de esque...
A FOME QUE ASSOLA O PAÍS NÃO ATINGE A TODOS

A FOME QUE ASSOLA O PAÍS NÃO ATINGE A TODOS

olhares
Pe. Jean Marie Van Damme (Pe. João Maria – assessor das CEBs NE V). A fome assola o país. Mas não atinge a todos. Um levantamento feito pelo economista Eduardo Moreira e apresentado em live[1], mostra uma situação francamente escandalosa. Moreira, desde 2013, figura com um dos melhores entre os economistas brasileiros, reconhecido pela Revista Época Negócios. Na sexta-feira santa (20/04) do ano passado (2020), teve uma grande conversa com o ex-presidente Lula[2]. É autor do livro “O que os donos do poder não querem que você saiba”. Nestes últimos meses, 20 milhões brasileiros voltaram para o mapa da fome. Em grupos e redes sociais circulam imagens de gente pobre catando ossos, restos de supermercados e frigoríficos para raspar restinhos de carne e colocar alguma proteína no prat...
“A paciência da população posta à prova”.

“A paciência da população posta à prova”.

olhares
Aos poucos, a mobilização e as manifestações, ainda com as necessárias precauções sanitárias, estão voltando às ruas. Não são suficientes as pressões virtuais para a população incidir na condução do rumo das políticas públicas. No mês de agosto, os indígenas e as mulheres indígenas depois se juntaram em Brasília contra o marco temporal, que ainda não passou a ser julgado pelo STF. Mostra um desrespeito dos próprios ministros, que no ar condicionado dos seus escritórios e auditório, não levam em consideração as condições precárias em que os indígenas se encontram ao mesmo tempo. No dia sete de setembro, o Gritos dos Excluídos competiu com os comícios do presidente da república em tamanho, embora não receberam a mesma atenção na mídia. O Vem pra Rua e o Movimento Brasil Livre, que antes...
As agressões socioambientais continuam a todo vapor!

As agressões socioambientais continuam a todo vapor!

olhares
No Maranhão e no Brasil, as agressões às populações do campo têm avançado nos últimos meses e anos, com total apoio do atual governo. A ‘boiada do Ricardo Salles’ está passando. Não foi só uma ameaça. Os índices de violência no campo, que incluem ameaças à vida, expulsões, assassinatos, destruição de produção agrícola, roças e reservas ambientais, queimadas de casas, se igualam aos das décadas de 1970/80. Nos dois primeiros anos desse desgoverno, foram registrados pela CPT, em 2020, 2.054 conflitos de terra, envolvendo 914.144 pessoas, das quais 18 foram assassinadas; e em 2019, 1.903 conflitos, 898.635 pessoas envolvidas e 32 assassinatos[1]. Tudo indica que 2021 pode ser ainda mais violento e trágico. As agressões se dirigem diretamente a povos indígenas, quilombolas, trabalhador...
VOTO TEM CONSEQUÊNCIAS MUITO AMARGAS

VOTO TEM CONSEQUÊNCIAS MUITO AMARGAS

olhares
Passou o temido 7 de setembro, com a fracassada tentativa de golpe por quem já está no poder. As manifestações orquestradas pelo agronegócio não deram os resultados esperados pelos neofascistas. As convocações para os atos direitistas foram feitas de diversas formas: o próprio presidente se empenhou em chamar seus seguidores para a rua, milhares de mensagens foram multiplicadas através dos já conhecidos robôs, uma grana pesada foi usada por fazendeiros e empresas para levar gente a Brasília[1] e pagar despesas de viagem, alimentação e hospedagem nos hotéis que estavam lotados na capital federal. Milhares de pessoas foram convencidas a se deslocarem para Brasília após receber R$ 1.500,00 em dinheiro. Também não houve greve dos caminhoneiros., mas uma mobilização de empresários, de patr...
“PIOR CEGO É O QUE CONTINUA NÃO QUERENDO ENXERGAR”

“PIOR CEGO É O QUE CONTINUA NÃO QUERENDO ENXERGAR”

olhares
No decorrer desta semana, Bolsonaro continuou bradando suas insanas ameaças[1] contra dois ministros do Supremo Tribunal Federal, apesar da visível perda de apoio dos brasileiros. Conclamando seus seguidores a manifestações no dia 7 de setembro, é pouco provável que consiga mobilizar massas de pessoas em muitas cidades. O Grito dos e das Excluídas/os tem poder mobilizador muito maior e está sendo organizado em pequenos e grandes municípios pela Igreja Católica, suas pastorais, e movimentos sociais como o MST e o CMP (Central dos Movimentos Populares). É interessante observar que a linha divisória entre os dois campos – pró ou contra Bolsonaro – não passa entre as denominações religiosas, mas as divide. Tem pastores e pastoras de Igrejas evangélicas que se declaram radicalmente contrár...
Marco Temporal, Não! Armas de fogo, Não!

Marco Temporal, Não! Armas de fogo, Não!

olhares
O principal fato desta semana, sem dúvida, está sendo a manifestação indígena em Brasília. Contesta o Marco Temporal para demarcação de seus territórios, em julgamento no Supremo Tribunal Federal. Nunca é por demais lembrar que os indígenas são os que mais direitos têm sobre as terras brasileiras, direitos reconhecidos pela Constituição nos seus artigos 231 e 232. É bom ler. A própria palavra “demarcação” já traz uma ideia de confinamento, de limitação. Os brancos querem decidir onde os povos originários poderão exercer sua cultura e seu estilo de vida. Enquanto uma parcela da população procura aprender dos povos tradicionais formas diferentes e muito sábias de convivência com o ambiente natural, preservando-o para futuras gerações, talvez a maioria da população branca ignora isso e a...
BRASIL EM TEMPOS DE APRENDIZAGEM?

BRASIL EM TEMPOS DE APRENDIZAGEM?

olhares
Na semana que passou, o IBGE atualizou algumas informações sobre fome e pobreza no Brasil. 84,9 milhões de brasileiros ou 41% da nossa população passam fome ou vivem em insegurança alimentar e não têm comida suficiente ou de má qualidade na sua mesa[1]. Em apenas dois anos, o número de pessoas com fome duplicou, de 10,3 em 2018 para mais de 19 milhões em 2020. E este ano, o número deve ter aumentado ainda mais. Em 2013, a situação da Segurança alimentar teve os melhores índice de toda a nossa história: Em 77% dos domicílios as famílias viviam bem, com comida suficiente e de qualidade[2]. Não é só a pandemia que causou esta tragédia nacional. O desemprego crescente, a defasagem das políticas públicas voltadas para a Segurança Alimentar, a diminuição de valor e de número de famílias ...
“Os amigos da corte presidencial…”

“Os amigos da corte presidencial…”

olhares
A semana que passou estava repleta de acontecimentos políticos, já anunciados na semana anterior. Em discussão na Câmara Federal estavam a mudança das regras para as eleições de 2022. Esse assunto é de urgência, porque devem ser aprovadas um ano antes do próximo pleito, ou seja, até os primeiros dias de outubro. Em caso de alterações na Constituição, serão necessários os votos de três quintos dos deputados em duas votações, depois mais três quintos dos votos dos senadores, também duas vezes, e depois ainda o sancionamento pelo presidente da República. Resta pouco tempo para um debate aprofundado sobre matérias tão importantes para o futuro do Brasil. Jair Bolsonaro nega, mas já fez várias tentativas de interferir nesse assunto. Como era de se esperar, o voto impresso, defendido pel...