Ressurreição: confirmação do Caminho de Jesus Cristo- Celso Pinto Carias

Ressurreição: confirmação do Caminho de Jesus Cristo

Com a ressurreição nasce a missão. Não devemos ficar olhando para o céu (At 1,9-11). Aqueles que experimentam a ressurreição devem ser testemunhas da nova vida transformada pelo AMOR.

Quando o fracasso total parecia se apresentar no final do caminho, os que seguiam o Mestre da Solidariedade, mulheres e homens, jovens e adultos, experimentaram com mais força ainda o Deus que escolhe o caminho da paz, da reconciliação, o caminho do amor como a única alternativa de Deus para a humanidade. Ele está vivo. A morte não pode impedir o Seu projeto. Realiza-se a passagem definitiva, a Páscoa que ultrapassa o ódio, o rancor, a guerra, o egoísmo, o pecado que não deixa viver a nossa humanidade integralmente como Jesus viveu a sua. O final do caminho terreno de Jesus é um novo começo. Como diz um grande teólogo latino, Jon Sobrino, que provou em El Salvador a dor da cruz no assassinato do povo, de Dom Oscar Romero, e de seus companheiros de residência: “Sem a ressurreição, o amor não seria o autêntico poder; sem a cruz, o poder não seria amor”.

 Jesus Cristo aparece na vida de seus amigos. A esperança se refaz, pois Ele está no meio de nósEle está onde existe o esforço de resgatar a humanidade para o caminho de Deus. Os relatos evangélicos da ressurreição de Jesus não querem espiritualizar o projeto do Reino de Deus. Os relatos nos mostram que Jesus integralmente considerado está vivo. Ele não é um fantasma e nem apenas um ser humano adotado por Deus. Ele é a própria presença de Deus. Com os olhos da fé os seguidores viram Jesus Ressuscitado confirmando todo o caminho traçado ao longo de sua vida. Os discípulos e discípulas foram testemunhas chaves daquilo que podemos crer sem ver como eles viram: Jesus Cristo não aparece mais porque com a sua ressurreição ele revelou que pode ser visto em toda irmã e todo irmão.

A ressurreição nos aponta que o caminho da vida plena começa já. O bem que eu faço hoje não se esgota nunca, como mostrou Jesus. Somente o bem ressuscitará. A salvação realizada por Deus no caminho de Jesus Cristo é o convite para que desde já nos tornemos um novo homem e uma nova mulher. Liberta-nos do pecado enquanto fonte de todo o mal que podemos realizar. Liberta-nos da confiança exagerada na lei que não nos deixa experimentar a gratuidade do amor que pode ser vivenciado na comunidade daqueles (as) que vivem na graça do ressuscitado. Quando não confiamos no amor precisamos mais de lei. Quanto mais lei tem uma comunidade maior é o sinal de que o amor é muito pequenino. Mas, se mergulhamos no mistério do amor revelado na totalidade do caminho de Jesus Cristo podemos exclamar: “Tudo posso naquele que me fortalece” (Fl 4,13); ou como dizia Santo Agostinho: “Ama e fazes o que queres”.

Com a ressurreição nasce a missão. Não devemos ficar olhando para o céu (At 1,9-11). Aqueles que experimentam a ressurreição devem ser testemunhas da nova vida transformada pelo AMOR. Amor, que como vimos ao longo do caminho de Jesus, é concreto, objetivo, tem direção. A ressurreição á a confirmação Reino de Deus testemunhado por Jesus, por isso, hoje ainda podemos realizar a missão como aquele que é o nosso Messias, o ungido, o Cristo de Deus feito homem, e assim mostrar qual é o caminho da salvação.

Celso Pinto Carias

Do livro Teologia para Todos, Vozes.

Imagens: Arquivos web e Bernardo Ramonfaur

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.