Comunidades Eclesiais de Base do Regional Oeste 02

“ Em tudo amar e servir.” (Santo Inácio de Loyola)

 No fim de semana (20 a 22/05/2016) as Comunidades Eclesiais de Base – CEBs do Regional Oeste II da CNBB, deram sequência ao compromisso assumido no 13º Intereclesial das CEBs, que é promover formação para liderança de forma permanente.

Para atingir um maior número de participantes, os encontros de formação foram realizados simultaneamente em regiões diferentes, agrupando as dioceses mais próximas.

No polo de formação envolvendo a Arquidiocese de Cuiabá e a Diocese de Cáceres, o encontro foi realizado na cidade de Acorizal, de 20 a 22 de maio e contou dom a participação de 65 pessoas.

A assessora desse momento formativo, MarilzaSchuina, trabalhou no VER um resgate histórico e político até os dias atuais, baseados em fontes diversas e intercalando com a Sagrada Escritura na parte da manhã de sábado.

Podemos pontuar algumas reflexões na fala da assessora: “Num sentido bastante amplo, o social diz respeito tanto à “comunhão pessoal” quanto à “sociedade”. Mas, em sentido estrito, diz respeito unicamente à sociedade. Nela, homens e mulheres se fazem presentes e atuam na vida uns dos outros convivem  de modo impessoal, ou seja, enquanto pessoas reduzidas à mera alteridade: “meros outros”. E essa redução impessoal vai se aprofundando na medida em que a sociedade vai crescendo e se complexificando através de suas instituições, organizações e modos de funcionamento. Basta ver como se dá o vínculo ou nexo social nas grandes cidades e nos processos de modernização econômico-tecnológicos (sistema financeiro internacional, crise ecológica, agro-hidro-negócio, internet etc):  cada vez menos as pessoas se vinculam umas às outras de modo pessoal.”

A assessora demonstrou muito conhecimento para equilibrar a discussão no objetivo que foi proposto, discutir a dimensão sócio-política dentro da igreja, no nosso cotidiano profissional e comunitário e na nossa vida pessoal, argumentando o que isso tem a ver com nossa fé, trazendo presentes alguns documentos como Doc. 105 CNBB, A EvangelliGaudium do Papa Francisco e o documentário Pedro, Profeta da Esperança.

Já no AGIR e JULGAR os trabalhos foram realizados em seis grupos divididos por cores: amarelo, vermelho, roxo, verde, azul, laranja. A plenária conseguiu absolver melhor a reflexão do VER e no JULGAR os participantes sugeriram como ação, a partir da reflexão do encontro de formação, a participação social ativa, reflexão do tema nas comunidades e grupos de reflexão, solidariedade, participação nos conselhos comunitários, governamentais e não governamentais e mais formação para as bases.

No polo de formação que compreende a Diocese de Barra do Garças e Prelazia de São Félix do Araguaia, o encontro foi realizado na cidade de Porto Alegre do Norte, nos dias 20 a 22 de maio.

A assessoria ficou por conta do Roberto Rossi, que desenvolveu a temática A Dimensão Sociopolítica da Fé Cristã e contou com a participação de 42 lideranças comunitárias.

Na cidade de Jaciara, no dia 22 de maio, foi realizada a formação para o polo Rondonópolis-Guiratinga e Primavera-Paranatinga também com a mesma temática. Contando a participação de 77 delegados vindo das duas dioceses.

Um pouco do que foi esse momento lindo para essas duas dioceses pode ser revelado na matéria feita pelo jornalista e também participante do encontro, Gibran Lachowski e sua esposa Ana Paula Carnahiba:

Conhecer a realidade concreta das pessoas mais pobres das comunidades e investir em ações de formação para despertar uma espiritualidade libertadora e de consciência crítica. Essas foram as principais propostas de ação encaminhadas pelos participantes da III Etapa do Encontro Interdiocesano de Formação para Leigos (as), ocorrido em Jaciara neste domingo (22/05).

O evento tratou do tema “Dimensão Sociopolítica da Fé Cristã” e reuniu cerca de 80 lideranças das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) de 11 paróquias das dioceses de Rondonópolis-Guiratinga e de Primavera do Leste-Paranatinga. As atividades foram realizadas na igreja matriz da paróquia São Francisco de Assis, em Jaciara, e contaram com a presença de quatro padres da região.

O encontro foi assessorado sob a metodologia do ver-julgar-agir pelo pároco José Cobo, que destacou as seguintes palavras antes das propostas de ação: “Vamos pensar nos sofredores, naqueles mais necessitados. Aqueles que sofrem com os conflitos familiares, prostituição infantil, preconceitos, pobreza, opressões”.

Realidade concreta e formação

De acordo com os participantes, para conhecer a realidade concreta dos mais necessitados é preciso fortalecer as missões populares, ocupar espaços nos conselhos comunitários, buscar integração com as associações de moradores, escolas e Programas de Saúde da Família. Intensificar a relação das lideranças das CEBs com os párocos e ampliar a divulgação da importância do dízimo para aumentar o apoio às famílias carentes.

Quanto à espiritualidade com consciência crítica, as sugestões resumiram-se na importância de promover conhecimento e informação sobre, por exemplo, direitos sociais e leitura crítica da mídia a partir de encontros de formação. Além disso, os participantes destacaram a articulação entre as pastorais sociais e diálogos sobre fé e política nas visitas das Missões Populares.

“As principais necessidades do local onde eu atuo são a de ter missões e também missionários”, relatou Osmar Nascimento Moraes, que é alinhador de carros e coordenador da comunidade Santa Luzia, pertencente à paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Rondonópolis.

A “fila do povo”

Para ele, o ponto mais importante do encontro foi a “fila do povo”, pela manhã. Os participantes fizeram uma análise social, econômica e política da atualidade e comentaram sobre a atuação das CEBs nas paróquias. “Esse espaço pra gente falar sobre a realidade concreta foi fundamental pra mostrar o que está acontecendo nas comunidades.”

A “fila do povo” também citou o desemprego, a violência, o fundamentalismo religioso e político e a falta de conhecimento sobre as causas dos grandes problemas da sociedade. E destacou ainda a importância da ecologia como forma de unir as pessoas e despertá-las para a realidade local das comunidades.

“A raiz de todos esses problemas é o capitalismo, que gera individualismo, o consumismo e a destruição da natureza. Por isso precisamos compreender essa realidade para transformá-la”, comentou o padre Cobo.

Palavra de índio

Quem também falou de raízes foi o historiador e coordenador das CEBs da Diocese de Rondonópolis-Guiratinga, Juvenal Paiva da Silva, ao se recordar das palavras do índio Anastácio durante o 13º Intereclesial, em 2014, no Crato e em Juazeiro (CE). “Roubaram nossas frutas, rasgaram nossas folhas, cortaram nossas árvores, queimaram nossos troncos, mas não deixaremos que arranquem nossas raízes”, disse Anastácio na ocasião. “Assim como nossos irmãos índios, as CEBs vêm sendo atacadas e excluídas, mas seguiremos em frente, valorizando as nossas bases”, completou Juvenal.”

Não restou dúvidas de que tem sido muito valiosos e frutíferos esses encontros de formação, pois, ficou visível no rostos de quem participou a alegria cristã, característica das CEBs, e a satisfação de poder adquirir tamanha experiência, que vem impulsionando nossas lideranças das CEBs na missão cotidiana junto aos demais irmãos da comunidade.

Oportuno salientar que no polo de Formação compreendendo as Dioceses de Sinop e Juína ainda será realizado posteriormente, conforme acordado entre as duas dioceses e nos dias 22 e 23 de outubro, deste ano, vai ocorrer a Assembleia Regional Formativa, no CENE em Cuiabá, onde representantes das Dioceses e Prelazia do nosso Regional se encontrarão para prosseguir com a missão assumida no 13º Encontro Intereclesial das CEBs.

Rondonópolis/MT, 22 de maio de 2016

 Solenidade da Santíssima Trindade, a melhor Comunidade.

Amém! Axé! Awere! Aleluia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.