– SULÃO

A ÁGUA DA VIDA E A VIDA – QUEM É A VIDA? O QUE É A VIDA? [Homenagem à Ir. Cleide Lazarin]

A ÁGUA DA VIDA E A VIDA – QUEM É A VIDA? O QUE É A VIDA? [Homenagem à Ir. Cleide Lazarin]

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
Caríssima querida Irmã Cleide Lazarin, existem momentos na vida em que os pensamentos se confundem, as emoções tropeçam e as palavras são insuficientes. É assim que sinto a reação das pessoas que como eu te conheceram, conviveram contigo. Mesmo que, também como eu, por tão pouco tempo, e em poucas vezes. É assim que me sinto. A notícia da tua Páscoa, como água que busca apaixonadamente o Oceano, sedenta de eternidade, nos deixou assim: sem palavras. Você é uma fonte de Luz, de ternura, de serenidade, de esperança e de amorosidade. Fonte de onde jorra uma água que sacia a sede de andarilhos como eu e tantos outros, mas que estimula na gente aquele desejo de ter mais sede. Sede de encontrar, de acolher, de servir, de amar. Como não lembrar aquela terça feira à tardinha, quando nos enco
CEBs de Santa Maria promove 20º Curso Oscar Romero

CEBs de Santa Maria promove 20º Curso Oscar Romero

- SULÃO, Destaque News
Nos dias 4 a 8 de janeiro está acontecendo a 20ª edição do Curso Oscar Romero, em Santa Maria/RS. Este curso é promovido pela Equipe de Articulação das CEBs da Arquidiocese de Santa Maria/RS. O curso nasceu fruto do 8º Encontro Intereclesial das CEBs que aconteceu em 1991, na arquidiocese. Desde então, várias organizações se somaram para construir este espaço deu formação para agentes de pastoral, lideranças e animadores comunitários. Além disso, o curso se apresenta como espaço motivador à resistência frente os desafios da realidade em que vivemos. Nesta 20ª edição, os temas que estão sendo trabalhados são: - Análise de conjuntura; - A complexidade no mundo das comunicações; - Espiritualidade do bem viver e ecologia integral; - Inspirados no exemplo do Papa Francisco, para a vivênci
Há um caminho que leva seguramente ao Messias e uma orientação fundamental: o caminho é o dos pobres e a orientação fundamental é o evangelho de Jesus de Nazaré. Thiago de França

Há um caminho que leva seguramente ao Messias e uma orientação fundamental: o caminho é o dos pobres e a orientação fundamental é o evangelho de Jesus de Nazaré. Thiago de França

- SULÃO, Destaque, Destaque News, Rumo ao 15º Intereclesial
Solenidade da Epifania do Senhor “Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor” (Is 60, 1). Epifania quer dizer manifestação. A Festa da Manifestação do Senhor é a festa do reconhecimento da universalidade da salvação. Não há um povo, um grupo, uma religião, uma pessoa a quem se destina com exclusividade a salvação oferecida por Deus em Jesus de Nazaré. Os cristãos precisam meditar este mistério. É mistério de amor, de doação, de redenção do gênero humano e de toda a criação. É o Deus Uno e Trino que vem ao encontro do ser humano para divinizá-lo, para chamá-lo à plenitude da vida. O texto evangélico escolhido para a celebração litúrgica desta grande festa (cf. Mt 2, 1 – 12) traz algumas informações que merecem destaque. Não é u
Retórica do governo fomenta violência, diz bispo sobre índios assassinados.  Seguem crucificando Jesus. Dom Roque Paloschi

Retórica do governo fomenta violência, diz bispo sobre índios assassinados. Seguem crucificando Jesus. Dom Roque Paloschi

- SULÃO, Destaque, Destaque News
Para ele, há setores que "manipulam a palavra de Deus para explorar, fomentar o ódio e a violência" contra os índios, e ele adverte: "Usar o nome de Deus para cometer crimes é justamente continuar crucificando Jesus". Arcebispo de Porto Velho e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Dom Roque Paloschi está estupefato diante dos ataques aos índios no Brasil — vítimas de uma onda crescente de atentados que já resultaram em sete mortes de lideranças indígenas este ano. Em conversa com o UOL, ele afirmou que "a retórica do governo que fomenta esse tipo de violência, o ódio e o preconceito aos povos indígenas" e classificou a atitude de "lamentável para as igrejas cristãs". Para ele, há setores que "manipulam a palavra de Deus para explorar, fomentar o ódio e a violência" con
NOTA DO REGIONAL SUL1 DA CNBB  diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo.

NOTA DO REGIONAL SUL1 DA CNBB diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo.

- SULÃO, Destaque, Destaque News
"Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate" (Is 2,4). Nós, Bispos do Regional Sul 1, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo, na madrugada deste 1° de dezembro, em que nove jovens perderam suas vidas e vários outros foram feridos, queremos manifestar nosso lamento pelos atos violentos que resultaram nesta tragédia. Tendo em nossos corações os mesmos sentimentos de Jesus Cristo, repudiamos toda forma de violência, manifestação de ódio e desrespeito à vida. De modo particular, expressamos a fraternal solidariedade da Igreja Católi
Somos um povo que constrói e vive a esperança, somos povo pascal. CARTA DAS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Somos um povo que constrói e vive a esperança, somos povo pascal. CARTA DAS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE DO ESTADO DE SÃO PAULO

- SULÃO, Destaque
“Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar.” Paulo Freire No chão da Diocese de São José do Rio Preto, nós, animadores das Comunidades Eclesiais de Base, unidos como Colegiada das CEB’s do estado de São Paulo nos reunimos durante os dias 23 e 24 para a última reunião do ano de 2019 e desejamos lançar uma mensagem de gratidão e esperança a cada comunidade do nosso grande estado. O ano de 2019 foi, para todos nós, desafiador. Seja pela conjuntura sócio-política, seja pela realidade eclesial. Este cenário favorece o surgimento de uma onda de pessimismo e desesperança, que gera desarticulação e individualismo pastoral. “Não há espaço para o pessimismo ou o desalento”, nos lembra Francisco.
NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO. SINODAL O modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia.  Agenor Brighenti

NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO. SINODAL O modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia. Agenor Brighenti

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
Fundamental para o exercício da sinodalidade na Igreja na Amazônia é "alargar os espaços para uma presença feminina mais incisiva", por meio de uma “participação ativa na comunidade eclesial” (n. 99). O Capítulo V do Documento Final do Sínodo da Amazônia faz da sinodalidade o modus vivendi et operandi da Igreja na Amazônia. Começa afirmando que, por sua natureza, a Igreja, “enquanto Povo de Deus sob o dinamismo do Espírito” é sinodal - “comunhão e participação, especialmente na ministerialidade e na sacramentalidade”. A sinodalidade “é uma dimensão constitutiva da Igreja” e, portanto, não se pode ser Igreja “sem reconhecer um efetivo exercício do sensus fidei de todo o Povo de Deus” (n. 88). Uma melhor integração da vida consagrada, dos leigos, em especial das mulheres, clama por uma co
Sínodo da Amazônia (VI) NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO ECOLÓGICA. A dimensão socioambiental da evangelização.  Agenor Brighenti

Sínodo da Amazônia (VI) NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO ECOLÓGICA. A dimensão socioambiental da evangelização. Agenor Brighenti

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
  O Documento adverte que “é urgente enfrentar a exploração ilimitada da casa comum e dos seus habitantes”. O Capítulo IV do Documento Final do Sínodo da Amazônia propõe “novos caminhos para uma conversão ecológica”, dada a atual “crise socioambiental sem precedentes”. O bioma amazônico “está ameaçado de desaparição, com tremendas consequências para nosso planeta”. A única saída é promover uma ecologia integral, que promova “um modelo de desenvolvimento justo e solidário”, em que temos muito que aprender “de nossos irmãos e irmãs dos povos originários” (n. 65). Conversão urgente antes que seja tarde demais O Documento adverte que “é urgente enfrentar a exploração ilimitada da casa comum e dos seus habitantes”. Uma das principais causas de destruição na Amazônia “é a atividade
União e resistência negra. Marcelo Barros.

União e resistência negra. Marcelo Barros.

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
No Brasil, essa semana é marcada pela memória do martírio do Zumbi dos Palmares no 20 de novembro de 1697 e pela comemoração dessa data que, em todo o país, se tornou “Dia da união e consciência negra”. A comemoração anual da memória do Zumbi é importante em um Brasil que ainda mantém a herança de forte desigualdade social. Atualmente, o Brasil é o país com a segunda maior população negra do mundo (Só perde para a Nigéria). No entanto, essa população continua a ser majoritariamente pobre e explorada. No seu livro Escravidão, Laurentino Gomes afirma: “Negros e pardos representam 54% da população brasileira, mas sua participação entre os 10% mais pobres é muito maior de 78%. Na educação, enquanto 22% da população branca tem 12 anos de estudo ou mais, a taxa é de 9, 4% para a população neg
Sínodo da Amazônia (V) NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO CULTURAL Uma Igreja aliada dos povos indígenas e autóctone. Agenor Brighenti

Sínodo da Amazônia (V) NOVOS CAMINHOS DE CONVERSÃO CULTURAL Uma Igreja aliada dos povos indígenas e autóctone. Agenor Brighenti

- SULÃO, Artigos, Destaque, Destaque News
“o pensamento dos povos indígenas oferece uma visão integradora da realidade, capaz de compreender as múltiplas conexões existentes entre tudo o que foi criado” O Capítulo III do Documento Final do Sínodo da Amazônia apresenta “novos caminhos para uma conversão cultural”. Começa reconhecendo que a região possui “uma grande diversidade cultural”. Neste âmbito, uma evangelização respeitosa e acolhedora do outro, capaz de aprender dele, exige “respeitar e reconhecer seus valores, viver e praticar a inculturação e a interculturalidade no anúncio da Boa Nova” (n. 41). Implica “ter um olhar que inclua a todos, usando expressões que permitam identificar e vincular todos os grupos e refletir identidades a serem reconhecidas, respeitadas e promovidas tanto na Igreja quanto na sociedade”. Frisa o