Jornada Mundial do Pobre Pe. Nelito Dornelas

 A centralidade do pobre implica nas dimensões espirituais, teológicas, eclesiológicas, políticas e culturais. A pobreza é uma força espiritual profundamente evangélica e revolucionária.

Neste dezenove de novembro, um domingo antes da festa de Cristo Rei do Universo e dia dos cristãos Leigos e Leigas, a Igreja celebra o Dia Mundial do Pobre, concluindo uma Jornada Mundial do Pobre com uma semana de duração. Este dia foi instituído pelo Papa Francisco com o objetivo de perpetuar os frutos da celebração do ano da misericórdia.

O pobre ocupa a centralidade do pastoreio de Francisco. Este resgate do pobre é a concretização do desejo de João XXIII, não realizado pelo Concílio Econômico Vaticano II. Quem captou esta mensagem foi um grupo de bispos, que no dia 16 de novembro de 1965 assinou o pacto das catacumbas e deixou suas indumentárias de ouro sobre o túmulo da mártir Santa Domitila. Em 1968 a segunda Conferência do Episcopado Latino-americano, em Medellín, declarou oficialmente a opção preferencial pelos pobres.

O Papa Francisco é o fruto maduro da caminhada eclesial deste Continente. Segundo afirmação do próprio papa, em recente entrevista, somente despois da Conferência de Aparecida, a Igreja latino-americana teria condições de levar para o magistério petrino sua rica experiência de opção preferencial e evangélica pelos pobres, regada pelo sangue fecundo de tantos mártires, cujo símbolo maior é o arcebispo de El Salvador, o Bem Aventurando Oscar Romero.

A centralidade do pobre implica nas dimensões espirituais, teológicas, eclesiológicas, políticas e culturais. A pobreza é uma força espiritual profundamente evangélica e revolucionária.

Recordo-me aqui a rica experiência da Igreja no Brasil com o Mutirão Nacional pela Superação da Miséria e da Fome. Na ocasião discutia-se sobre a necessidade de um projeto político global para esta questão, considerando ser inaceitável que num país como o Brasil existisse trinta milhões de brasileiros sobrevivendo abaixo da linha da miséria. Com a campanha pela cidadania promovida por Betinho e o Mutirão da CNBB, estes brasileiros foram evidenciados. Com o apoio da Igreja e dos movimentos sociais e até mesmo com muita pressão social, o governo federal acabou criando políticas públicas de inclusão social.

Dos 30 milhões de brasileiros miseráveis ainda restam oito milhões sobrevivendo abaixo da linha da miséria, recebendo um dólar por dia. Segundo os analistas mais sérios, as reformas aprovadas pelo Congresso e as que se encontram em andamento, quando aplicadas contribuirão e muito com o aumento da miséria e da fome, retrocedendo o Brasil aos tempos análogos ao da escravidão.

No cenário internacional são oitocentos milhões de famintos e mais oitocentos milhões de sedentos, portanto, ¼ da humanidade excluída. E segundo a FAO são necessários apenas oitocentos bilhões de dólares para equacionar esta situação. Quando o Papa Francisco afirma que esta economia mata, ele traz na mente e no coração esta multidão de descartados do banquete da vida.

Como o pontificado de Francisco é marcado por gestos evangélicos e atitudes transformadoras, a primeira visita que ele fez fora de Roma foi à Ilha de Lampeduza na Itália, que é a principal porta de entrada no continente europeu dos norte africanos fugindo da fome, da sede e das guerras. São imigrantes e refugiados famélicos, sedentos e náufragos. Outra atitude foi a proibição da venda de templos e construções de propriedades da Igreja para outras finalidades, com o argumento de que estes espaços religiosos foram construídos no passado para abrigar a Carne de Cristo,  e hoje estas construções deverão ser destinadas a abrigar os imigrantes e refugiados que são a verdadeira Carne de Cristo chagada na história.

Termino esta reflexão com as palavras do teólogo e mártir luterano Dietrch Bonhoefer:

A minha fome é uma questão biológica e material que deve ser saciada por mim, enquanto que a fome do outro é para mim uma questão espiritual e teológica, que requer de mim atitudes caritativas, solidárias e responsáveis para saciá-la.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.