POR DIREITOS E DEMOCRACIA A LUTA É TODO DIA GRITO DOS EXCLUÍDOS

23º Grito dos/as Excluídos/as: Por direitos e democracia, a luta é todo dia!
Por Jardel Lopes – Coordenação Nacional da PO

No último dia 10 de fevereiro, a coordenação nacional do Grito dos/as Excluídos/as, se reuniu em São Paulo, para discutir e escolher o lema a ser trabalhado no 23º Grito, em 2017.

Muitas foram as sugestões que vieram de vários lugares do país. Após muito debate sobre a realidade brasileira, destacando os percalços da conjuntura, chegou ao consenso de que o grito precisa denunciar e anunciar, apontando sempre que possível, um caminho. Esse caminho é, sem dúvida, a luta!

Discutiu-se as ameaças do Governo Temer à classe trabalhadora, e as fragilidades da esquerda que enfrenta politicamente a situação. A ausência de um projeto em comum, que tenha em foco a soberania da nação.

O apelo por um projeto popular tem sido grande, portanto na transversalidade do tema está presente essa questão. O grito sempre traz uma proposta que reúne o povo em torno da causa.

Acredita-se que direitos e democracia tem sido duas questões um tanto ameaçada nos últimos anos. As lutas populares no Brasil caminharam em direção da construção de direitos. E esses, por sua vez, estão ameaçados, e outros extintos, sobretudo com governo Temer. Vale lembrar que direitos sempre terão como inimigos o capital, e em tempos de maior agressividade do capital esse conflito com os direitos são sempre maiores. No entanto, apesar de não vencer o capital, tem sido a ferramenta mais apropriada nos últimos anos para defender um mundo justo, buscando garantir o cuidado da vida em primeiro lugar.

A democracia foi uma das metodologias de organização construída nos últimos anos. Tão frágil ainda, quanto uma borboleta em transição entre casulo e o mundo externo. Com muito a ser consolidada, construída, entendida, a democracia vem sendo destruída no conflito com o capital. Nela está embutida princípios de convivência, de orientação política, que por sua vez conduz na definição dos direitos. Como diretriz da participação popular, a democracia corre sérios riscos, de ser acabada mesmo antes de ser consolidada.

Portanto, a organização, a participação, a construção de uma luta de classe, precisa ser todo dia. Mas, isso se faz com a conscientização de cidadãos e cidadãs, e essa por sinal, é papel da sociedade civil organizada. Despertar a solidariedade de classe é fundamental nesse processo de democratização e defesa de direitos, como mecanismos de construção de um outro mundo possível.

Importante destacar, que o objetivo da luta não é apenas o direito e a democracia, mas a construção de um mundo justo, onde a vida esteja em primeiro lugar. Para isso, temos utilizado do direito como ferramenta e a democracia como metodologia política.

A luta é todo dia!

 

           Agenda:  

19 a 21 de maio – Encontro de Multiplicadores do Grito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.