Shadow

“Precisamos de leigos que consigam entender a sua missão enquanto sujeito eclesial”. Entrevista com a presidenta do CNLB – Sônia Gomes de Oliveira

Por  Luis Miguel Modino

O Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) celebra de modo virtual, de 3 a 5 de junho, sua 39ª Assembleia Geral Ordinária. O tema escolhido é “Cristãos leigos e leigas em missão: respondendo aos novos desafios”.

Tentando refletir sobre o papel do laicato na Igreja do Brasil, especialmente neste tempo de pandemia, entrevistamos sua presidenta, Sônia Gomes de Oliveira. Ela nos ajuda a refletir sobre elementos presentes na vida da Igreja, especialmente na América Latina e no Caribe, como é a Igreja em saída, a Assembleia Eclesial de América Latina e do Caribe, seu processo de escuta e os desafios de uma Igreja sinodal, tema que vai estar presente na vida da Igreja ao longo dos dois próximos anos, em consequência do Sínodo sobre a Sinodalidade.

O Conselho Nacional do Laicato do Brasil está celebrando mais uma Assembleia Geral, qual a realidade do laicato no Brasil num tempo em que a vida da Igreja está muito marcada pela pandemia e a Igreja foi obrigada a reinventar seu trabalho pastoral?

O tema da nossa assembleia vem trazendo justamente isso, respondendo aos novos desafios. E que desafios são esses? O documento 105 da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ele já apresentava alguns desafios, o desafio do clericalismo, de uma Igreja de leigos que ficam muito no interno da Igreja, não consegue perceber a realidade social, um laicato desligado das questões sociai, um laicato que fica muito voltado para o ministério interno da Igreja, um laicato que não insere na questão política. Aí é que vai prejudicando essa tomada de consciência, que é muito importante, e o que nós queremos para os cristãos leigos e leigas.

Com a pandemia, acabou que revelou muito isso, as igrejas que acabam se fechando e o laicato, em si toda a Igreja, todas as pessoas, acabam tendo que ir para dentro de casa, o laicato teve que se adaptar. Aquele cristão leigo que não estava acostumado com uma vivência comunitária, em família, da vivência da Palavra de Deus, que não estava acostumado com essa vivência da inserção social, para ir para uma solidariedade, para pensar na questão social, ele teve uma certa dificuldade para assumir esses desafios nesse tempo de pandemia.

Haja visto que nesse tempo de pandemia, uma grande parcela dos leigos ficou brigando para abrir as igrejas, não pensando na defesa da vida, acreditando, e isso é interessante à luz da festa de Corpus Christi, que só a comunhão eucarística tem validade, e não valorizando a comunhão com a Palavra de Deus, a grande força que nós cristãos leigos e leigas temos que valorizar. Eu penso que são esses desafios que nós precisamos enquanto leigos vencermos, um laico que consiga entender a sua vocação, a sua missão enquanto sujeito eclesial, que nós precisamos estar nos nossos ministérios dentro da Igreja, mas que nós precisamos estar inseridos na nossa missão na sociedade.

Você fala de muitos elementos que fazem parte daquilo que o Papa Francisco chama de Igreja em saída, uma Igreja que vai ao encontro do povo, onde o laicato tem um papel fundamental. Diante dos desafios e das novas realidades, como isso deveria ser concretizado no futuro da Igreja do Brasil?

Eu penso que o primeiro passo é o próprio leigo se reconhecer como sujeito pastoral, não como objeto de cura pastoral, não como um tarefeiro na Igreja. Porque enquanto nós estivermos nos vendo desta forma, nós não vamos conseguir sair para essa Igreja em saída que o Papa Francisco tanto nos pede. Nós vamos sair para fazer tarefas, porque o padre pediu, porque alguém pediu.

Depois, eu penso que a Igreja tem que se abrir para esses ministérios, garantir a ministerialidade ao cristão leigo, e aí o Sínodo para a Amazônia nos revelou muito isso, que é preciso ter um leigo que consiga não sei se realizar tantos sacramentos, mas ter uma certa autonomia para que possam realizar muitos ministérios que hoje dependem muito da presença do padre. Quando a Igreja começar se abrindo para isso, entendendo a mulher, também no seu papel forte na Igreja, como grande colaboradora, como grande contribuidora dentro da Igreja, e tantos leigos e leigas, nós conseguiríamos estar assumindo isso.

Também o processo de formação, que nós precisamos entender que ao nos formarmos, e aí falo enquanto assistente social, que eu no meu papel de profissional do Serviço Social, eu entendo meu batismo, que aonde eu estiver como assistente social, eu vou poder dar também um testemunho de garantia de política pública, de garantia de vida, de protagonismo, e a efetivação de políticas públicas que defendam a vida das pessoas. Porque não basta estar nesses espaços e garantir políticas que são de morte, e muitas vezes temos encontrado leigos que fazem isso. Nós temos que ter leigos com capacidade e com uma formação de sujeitos eclesiais.

Nesse protagonismo dos leigos, podemos dizer que a Igreja da América Latina e do Caribe está vivendo uma grande novidade, que é a I Assembleia Eclesial de América Latina e do Caribe. Na apresentação da Assembleia, o Papa Francisco insistiu muito para que não fosse algo reduzido a um pequeno grupo, a uma elite, e sim para que envolvesse todos aqueles que fazem parte da Igreja, onde os leigos e leigas são a grande maioria e os grandes protagonistas. Qual a importância que essa assembleia pode ter no futuro, nos novos caminhos para a Igreja latino-americana e caribenha?

A primeira importância deve começar por nós leigos, tentando fazer com que esta assembleia possa chegar ao mais longe, ao leigo que está mais distante, ao leigo que está mais na periferia, para ser ouvido. É justamente quando naquela carta de convocação desta assembleia, o Papa Francisco vai dizer que a Igreja se dá no partir do pão, a Igreja se dá sem exclusão, a Igreja se dá a partir desta participação de todos e todas.

Se nós queremos uma resposta que vai conseguir sair de dentro das paredes da Igreja, é nós leigos que temos que sair para escutar àqueles mais distantes e que poderão dar uma resposta que vai poder chegar naquilo que nós queremos, uma Igreja encarnada com a vida, uma Igreja que escuta a todos, uma Igreja que tem verdadeiramente discípulos missionários em saída, que seja coerente com o anúncio do Evangelho, e que possa também estar vivendo essa experiência do Evangelho que é a escuta dos empobrecidos.

Diante dessa necessidade de escutar a todos, inclusive aqueles que estão mais distantes, como o Conselho Nacional do Laicato do Brasil está trabalhando o processo de escuta da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, que como foi mostrado no Sínodo para a Amazônia pode ser um elemento fundamental para o processo de discernimento posterior?

Nós estamos fazendo por partes, começando com o processo de mobilização agora, e essa mobilização se dá muito nesse encantamento dos leigos para entender essa assembleia. Que não é só ir lá, fazer um relatório de escuta das pessoas, é ir entender, e que isso possa ser motivador para todos nós também. Então, no primeiro que haja esse processo de escuta nos regionais, a través do laicato. Que eles possam se encantar, animar, assumir esse processo de escuta, com o número maior de grupos e leigos que puderem nos seus regionais.

Dentro dos conselhos de leigos diocesanos, aonde tiver conselho diocesano de leigos, que ele possa sair, fazer essa experiência, mas também não ficar só nos espaços do conselho de leigos. Que eles possam ir buscando parcerias com os movimentos sociais, com grupos que são leigos e que estão afastados. A coisa que nós estamos tocando muito é chegar até aqueles que não estão nos espaços da Igreja, escutar aqueles leigos que afastaram da Igreja. Por que que você afastou? Mas agora tem a oportunidade de você responder esse questionário aqui, vem fazer parte com a gente.

Aqueles grupos que estão na base da Igreja, que muitas vezes são tão pouco ouvidos, que o conselho de leigos possa assumir também o protagonismo de estar indo atrás. Por mais que a paróquia não tenha feito isso, que nós enquanto cristãos corramos atrás, às pressas. A gente está usando muito aquela simbologia da Ressurreição, a mulher que vê Jesus Ressuscitado e sai às pressas para anunciar. Que nós também possamos sair às pressas para poder buscar a quantidade maior de leigos e leigas, principalmente os afastados, porque esses que estão nos espaços de conselho, é considerado uma elite para nós. Uma elite que já estão nos espaços, já estão agregados. Por isso, vamos atrás, procurar aqueles que estão mais distantes.

A Igreja está cada vez mais envolvida na concretização daquilo que surgiu no Concilio Vaticano II, mas que foi deixado de lado durante décadas, que é a sinodalidade. Nessa Igreja sinodal o papel do laicato é fundamental. O que significa para os leigos e leigas o novo Sínodo sobre a sinodalidade e todo o processo sinodal que vai começar no mês de outubro?

Esse processo de sinodalidade se dá muito no caminho. E como leigas e leigos, nós precisamos muito entender o que é que é essa sinodalidade, por que é que se fala dessa sinodalidade. O Papa tem chamado tanto a atenção nossa para esse processo da sinodalidade. Então, enquanto leigos e leigas, a gente conseguir entender qual é o espaço que é nosso. Esse caminho com essa comunhão, dentro dessa unidade, como já diziam os primeiros cristãos, mas sabendo que o espaço e o lugar nosso é esse.

Tem o papel do pastor, como bispo, como padre, mas tem o papel nosso, que também tem a sua importância na Igreja, que é tão importante quanto os outros. Essa sinodalidade caminha muito nessa convicção dessa presença de batizados e batizadas, respeitando o papel do outro, mas com um testemunho maduro, e vivenciando seu papel e seu ministério, que é nosso, do leigo. Nós, enquanto cristãos leigos e leigas, nós temos muito que aprender com esse novo processo de sinodalidade, que não é só abaixar a cabeça e dizer amém, não é isso. É cada um vivenciando o seu papel, vivenciando a sua vocação, vivenciando o seu caminho, a comunhão, a unidade, mas segundo o seu ministério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.